Notícias

Experimenta Cena reflete sobre a criação teatral e performática

A partir desta quinta-feira (28/3), programação conta com performances, espetáculo e mesas-redondas no Teatro Dona Amélia e na Praça do Bambuzinho

Foto: Divulgação

No próximo fim de semana, de 28 a 31 de março, o Sesc Petrolina realiza, na Praça do Bambuzinho e no Teatro Dona Amélia, a oitava edição do Experimenta Cena. O projeto, que visa promover a experiência teatral, tem como tema este ano o mote “Entre Lugares”. A proposta celebra a experimentação e reflete sobre o lugar de assimetria entre a criação teatral e performática e o intérprete na cena contemporânea.  A maioria das atividades é gratuita, sendo apenas um espetáculo pago, a preços acessíveis.

Realizado na semana em que se comemora do Dia Mundial do Teatro (27/3), o Experimenta Cena traz para o público performances, espetáculo e mesas-redondas. A abertura acontecerá quinta-feira (28/3), às 18h, na Praça do Bambuzinho, com a performance “Digerindo Lixo”, apresentada pelo multiartista Lucas Tavares (Juazeiro-BA). Em seguida, às 19h, no Teatro Dona Amélia, será realizada a mesa-redonda “Qual o lugar de fala da atriz na Cena Contemporânea?”, com a participação das artistas Cátia Cardoso, Fabiana Pirro, Juliene Moura e Raphaela de Paul. A mediação será de Monique Paulino.

Na sexta-feira (29/3), o Rizoma Companhia de Teatro (Jacobina-BA) levará à Praça do Bambuzinho, a partir das 18h, a performance “Evocando as Ausências”, um duo com os performers Iago Setúbal e Ana Vicente. Às 19h, acontecerá mais uma mesa-redonda no Teatro Dona Amélia, desta vez sobre o tema “Entre Lugares: Performance e cena teatral”, com a participação de Breno Fitipaldi, Iago Setúbal, Lucas Tavares e José Lírio. A mediação será do diretor Thom Galiano.

O Núcleo de Teatro do Sesc Petrolina e a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, apresentarão ao meio-dia de sábado (30/3), também na Praça do Bambuzinho, “Procura-se um Corpo – Ação nº 3”. A performance, fruto do trabalho desenvolvido no Experimenta Cena de 2015, aborda a história de vítimas da ditadura militar no país, provocando uma reflexão sobre a memória e as perspectivas para o futuro, como propõe o tema do projeto.

Ainda no sábado, às 20h, no Teatro Dona Amélia, Fabiana Pirro subirá ao palco com o espetáculo “Obscena”. Com direção de Luciana Lyra, “Obscena” é uma ode ao teatro, que tem como foco central a escritora e dramaturga paulista Hilda Hilst. A classificação indicativa do espetáculo é de 16 anos. É o único espetáculo pago da programação, com ingressos a R$ 10. Estudantes têm direito à meia-entrada e trabalhadores do comércio e dependentes entram de graça.

O Experimenta Cena 2019 será encerrado no domingo (31/3), às 19h, no Teatro Dona Amélia, com a apresentação de “O Performer em Solo: Violação e Cura”, dez performances resultantes do trabalho desenvolvido por artistas que participaram este ano de uma imersão orientada pelo professor de artes Breno Fitipaldi e pela atriz Fabiana Pirro. Com classificação indicativa de 18 anos, serão apresentadas performances de Camila Rodrigues, Jesus, José Lírio Costa, Laiane dos Santos, Cátia Cardoso, Márcio Salle, Joedson Silva, Ruthe Maciel, Severo Fiho e Cássio Viana.  “O projeto promove a experiência teatral, fortalecendo a produção local e  estimulando novas criações. A ideia é que esses dez artistas criem performances solos voltadas para o resgate interior da memória de cada um, e que eles passassem por um processo de cura com esse ato performático”, explica o coordenador do Experimenta Cena, Thom Galiano.

 

Serviço: Projeto Experimenta Cena

Data: De 28 a 31 de março

Locais: Praça do Bambuzinho e Teatro Dona Amélia

Entrada gratuita: Performances e mesas-redondas

Espetáculo “Obscena”

Valores: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) / Entrada gratuita para trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo e seus dependentes

Informações: (87) 3866-7454

 

Via Fabiano Barros

 

 

 

Notícias

‘Sentimentos Gis’ continua temporada gratuita no Teatro Dona Amélia

Na sexta (07), haverá sessão com a participação de uma intérprete de Libras

Foto: Thierry Oliveira

O bailarino Cleybson Lima leva para a cena discussões sobre gênero e sexualidade no espetáculo ‘Sentimentos Gis’, solo inspirado na trágica história de Gisberta, uma transexual brasileira que foi brutalmente assassinada na Europa. O artista iniciou uma temporada de apresentações gratuitas no dia 29 de agosto, seguindo ainda até o próximo final de semana, entre quinta (06) e domingo (09).

As sessões acontecem no Teatro Dona Amélia, sempre às 19h. O espetáculo cumpre um total de nove apresentações, possibilitando a manutenção do trabalho e da discussão de seus temas, cada vez mais necessários e contemporâneos. “Uma temporada longa mantém o trabalho vivo. Ainda é preciso falar de preconceito, pois estamos no país que mais mata LGBTs no mundo”, comenta Cleybson, que assina a criação da obra junto com o diretor Thom Galiano e o dramaturgista Lennon Raoni.

Na sexta (07), a produção investe em recursos de acessibilidade, quando haverá a presença de uma intérprete de Libras para as falas e músicas, além da adequação do espaço para cadeirantes que é garantida em todo o projeto. Também é possível realizar agendamento de grupos, os interessados devem entrar em contato com a produção nos telefones (87) 9.9811-1799 [Cleybson Lima] ou (87) 9.8865-1881 [Wendell Britto].

A bilheteria do teatro abre uma hora antes e a classificação indicativa é para maiores de 18 anos. Mais detalhes sobre a temporada podem ser acompanhados no site e nas redes sociais do espetáculo @sentimentosgis e no site www.sentimentosgis.livreh.com.

Por Adriano Alves

Notícias

Maviael Melo lança ‘Áries da Canção’ dia 10 no Teatro Dona Amélia

O show de lançamento ocorrerá às 20h no Teatro Dona Amélia, no Sesc, e contará com as participações especiais de Maciel Melo, João Omar, Flávio Leandro, João Sereno, Antônio Marinho e Pok Ribeiro.

Poucos álbuns brasileiros conseguiram extrair tanta essência de uma cultura e a inquietude de um poeta e cantor nordestino como ‘Áries da Canção’, novo trabalho de Maviael Melo, que será lançado em Petrolina (PE), no próximo dia 10 de maio. O show de lançamento ocorrerá às 20h no Teatro Dona Amélia, no Sesc, e contará com as participações especiais de Maciel Melo, João Omar, Flávio Leandro, João Sereno, Antônio Marinho e Pok Ribeiro.

O título mais recente de Maviael Melo é composto por um CD, DVD, LP e um livro de poesias autorais. Na busca pelo novo, a obra possibilita viajar através das canções e causos de histórias poéticas. “Queríamos oferecer um álbum diferente, que marcasse as pessoas. Foi um trabalho rigoroso, mas creio que elas vão gostar do repertório”, comentou o cordelista.

Conhecido também pelo estilo satírico, Maviael diz que o show incentivará a interação do artista com o público. “Quem for tem que se divertir, se envolver com as músicas, os contos, dá muitas gargalhadas e se emocionar”.

O cantor

Embora tenha nascido em Iguaraci, no sertão do Pajeú, foi entre Juazeiro (BA) e Petrolina que Maviael Melo passou a sua juventude. É de sua autoria o Cordel das Águas, publicação que teve mais de cem mil cópias distribuídas nas escolas públicas da Bahia, Pernambuco, Minas Gerais e no Pará, em 2009.

Dois anos depois, realizou o I Encontro de Educação, Cultura e Cordel em Juazeiro (BA), quando lançou a primeira coletânea de cordéis produzida por professores da região, projeto que foi laureado com o Prêmio Mais Cultura de Literatura de Cordel Patativa do Assaré, do Ministério da Cultura. O lançamento de seu primeiro CD ‘Entre a ponte dos sonhos’ ocorreu em Petrolina (2014), ocasião em que reuniu artistas como Carla Visi, João Sereno, Mario Ulloa, Marcone Melo e Paulo Ferreira.

Atualmente, além dos eventos musicais que participa, o cantor ensina poesia e cordel para crianças e professores. “É uma forma de incentivar a arte enquanto importante ferramenta de ensino”, explica.

Destaques

Lançamento do álbum ‘Áries da Canção’ de Maviael Melo

Teatro Dona Amélia, no Sesc Petrolina -PE

Às 20h do dia 10 de maio

Ingressos disponíveis no Sesc ou por telefone (74) 9 8863 6891.

Fonte: Clas Comunicação & Marketing

 

 

Notícias

Tem Teatro para Crianças esse fim de semana!

Estelita é uma formiga sonhadora, que deseja ser e viver várias histórias, incentivando crianças de todas as idades à buscarem seus objetivos. De forma leve e divertida, Estelita transforma-se em abelha, chuva, rio e alimenta também o desejo de ser o que se é!.

Foto:: Tassio Tavares

Em 2018 a Trup Errante comemora 12 anos de atuação no Vale do São Francisco e para celebrar este momento o grupo volta aos palcos do Teatro Dona Amélia com Estelita – entre fadas e outros bichos! O espetáculo estreou em outubro de 2017, no Sesc -Triunfo-Pe e participou do Festival Janeiro Tem Mais Arte, agora no início de 2018, no Sesc- Petrolina.

Este trabalho é uma criação de Raphaela de Paula, que mescla o Teatro, Contação de História e uma personagem que carrega a energia do palhaço. Uma mistura que une o que a Trup leva em suas pesquisas e andanças, como uma marca do grupo. Sendo alimentada pelas outras criações do grupo para o público infanto-juvenil Raphaela, que é formada em interpretação pela Escola de Teatro da UFBA, dá vida a formiga tanajura Estelita em sua primeira direção teatral.

Foto: Tassio tavares

Estelita – entre fadas e outros bichos nasceu do conto “Estelita”, presente no livro Entre Fadas e outros Bichos da escritora cearense radicada em Petrolina Thalynni Lavor. No livro podemos encontrar outros contos fantásticos sempre carregados de uma linguagem e de filosofias encantadoras. Fica aqui nossa dica de leitura. Já na peça, como sempre nos trabalhos da Trup, a participação do público, ajuda na construção da história, de forma delicada, a atriz guia o público para este caminho.

Estelita é uma formiga sonhadora, que deseja ser e viver várias histórias, incentivando crianças de todas as idades à buscarem seus objetivos. De forma leve e divertida, Estelita transforma-se em abelha, chuva, rio e alimenta também o desejo de ser o que se é!.

Foto: Tassio Tavares

A Trup Errante tem um carinho especial por espetáculos infantis, visto que seu primeiro espetáculo foi para este público, Pararupara – Brincando de Montar (2006) que já contava com Raphaela no elenco. Então comemorar o seu décimo segundo aniversário com os pequenos também é reviver um pouco da história da companhia.

Serviço

Espetáculo: Estelita – entre fadas e outros bichos

Trup Errante

Classificação: Livre

Onde? Teatro Dona Amélia

Quanto? R$20 e 10 (Sábado e domingo)

Hora: 17h

Ascom.

Notícias

Janela Para Navegar Mundos estreia em Petrolina e Juazeiro

Espetáculo leva a poética ribeirinha para cena através da dança

Imersos em um processo de pesquisa sobre a poética ribeirinha, os integrantes do coletivo Trippé criaram seu novo espetáculo, Janela Para Navegar Mundos, uma proposta intimista fruto do projeto Corpos Poéticos, que estreia no próximo dia 19, no Teatro Dona Amélia. O espetáculo fica em temporada até o dia 22, entre as cidades de Petrolina e Juazeiro, no esquema Pague Quanto Puder.

Assinando a direção do espetáculo, Adriano Alves explica que o coletivo já vinha trabalhando temas relacionados a região do Sertão do São Francisco e também se interessa pela produção literária, agora é a primeira vez que une esses motes em uma pesquisa. “Pensamos em nos relacionar mais uma vez com essa terra que habitamos e muito nos influencia, mas agora partimos da visão dos poetas da região e ressignificando esses olhares com nossa dança”, pontua Adriano.

Desde sua criação, o Coletivo se denomina “de ribeira”, se afirmando como um grupo do Vale, se dividindo entre Juazeiro-BA e Petrolina-PE. A temporada também contempla as duas cidades, sendo as primeiras sessões do lado de Pernambuco, nos dias 19 e 20, às 19h, no Teatro Dona Amélia. A segunda parte das apresentações acontecem no Centro de Cultura João Gilberto, contemplando a Bahia nos dias 21 e 22, em sessões duplas, às 16h e 19h.

Os ingressos serão distribuídos uma hora antes das apresentações, sendo o público que decide quanto vai pagar no esquema de contribuição voluntária Pague Quanto Puder. Após as apresentações, acontecem bate-papos com a equipe. Integram o elenco Julia Gondim, Rafaedna Brito, Regiane Nascimento e Wagner Damasceno. Colaborando na criação, Fernanda Barbosa na assistência de direção e preparação de voz, Diego Ravelli na criação de figurino, Carlos Tiago na iluminação e Eugênio Cruz na trilha sonora.

O projeto é uma realização da Funarte, Ministério da Cultura e Governo Federal, com produção assinada pela Pipa Produções e como produtora executiva Nilzete Miranda. Este projeto foi contemplado pelo Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2014, que permitiu a realização da pesquisa e da criação do espetáculo, além das ações formativas e temporada popular. O Coletivo Trippé está em manutenção financiada pelo Governo do Estado da Bahia através do Edital de Apoio a Grupos e Coletivos Culturais 2016 do Fundo de Cultura da Bahia.

Serviços:

Espetáculo “Janela Para Navegar Mundos”

Petrolina-PE

Local: Teatro Dona Amélia

Dias: 19 e 20/07/17

Horário: 19h

Ingresso: Pague Quanto Puder

Juazeiro-BA

Local: Centro de Cultura João Gilberto

Dias: 21 e 22/07/17

Horário: 16h e 19h

Ingresso: Pague Quanto Puder

Sinopse da obra:

O que acontece quando nos permitimos olhar? Contemplar o mundo em seus pequenos detalhes é momento de entendimento, de amplitude, de também se enxergar. Após um mergulho nas correntezas que são as palavras dos poetas da ribeira do São Francisco, entregamos em cena o que ficou úmido nos corpos que se propõem poéticos, nesse doce desejo de ser dança. Rasgos, memórias, nuvens, cheiros e um pouco mais do que até então nos habita deságua agora nessas janelas para que você trace sua própria rota de navegação. Viajemos!

Sobre o coletivo:

O Coletivo Trippé é um espaço que une desejos em comum, vontade de ser cena e afetividade entre corpos. Criado em 2011 com a união de novos criadores do forte movimento que transborda na ribeira do São Francisco, além de espetáculos, também vem investindo em projetos de pesquisa, produção de mostras e experimentações nas áreas de intervenções e performances.

Iniciando suas experimentações autorais em janeiro de 2011 e agora estreando seu quinto espetáculo, o coletivo participa de festivais nacionais e produz projetos sistemáticos de difusão pela região, sempre colocando em questão as temáticas da vida ribeirinha. Entre suas criações estão o espetáculo NO CAMINHO DAS ALIMENTADEIRAS (Premiado no Quarta Que Dança 2013 e Premio VIVADANÇA 2014); o conjunto de intervenções urbanas CORPORAÇÕES; as performances EXTENSÕES e Pague 1 Leve 2; a coreografia infantil MEU QUERIDO CATAVENTO;  o espetáculo FRATURAS, criado com a paulista Cia. Siameses e o coreógrafo Maurício de Oliveira (Prêmio APACEPE 2016: Melhor espetáculo, melhor coreografia, melhor figurino e bailarino revelação); e o recital dançado CORDEAR. (Fonte: Virabólica).

 

 

Notícias

Última semana de Sentimentos Gis no Teatro Dona Amélia

O projeto foi contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2015, o que garantiu a montagem e a temporada gratuita.

Foto: Rubens Henrique
Foto: Rubens Henrique

Em sua temporada de estreia, o espetáculo Sentimentos Gis continua a série de apresentações gratuitas no Teatro Dona Amélia, da quinta (16) até domingo (19). Levando para a cena uma discussão sobre o corpo travesti/transexual e as questões de gênero envolvidas. As apresentações começam às 19h, com senhas distribuídas a partir de 18h.

A coreografia parte da história de Gisberta, transexual brasileira agredida e violentada sistematicamente por 14 adolescentes durante dias em Portugal, mas perpassa por outras relações e uma pesquisa sobre o corpo multifacetado.  O projeto foi contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2015, o que garantiu a montagem e a temporada gratuita.

Foto: Rubens Henrique
Foto: Rubens Henrique

Sinopse – Andamos sobre fio da navalha ao nos aventurarmos em dar corpo à discussão de Gênero, mas chegamos a uma certeza que nesse terreno é impossível ter certezas. Assim nesse solo nos lançamos sobre todo universo imaginário que estivesse ao nosso dispor do mais profundo a superfície e vice-versa. Dançamos: Memórias, teorias, ícones, estigmas. Não falaremos sobre a vida de Gis a transexual que se tornou principal inspiração da pesquisa poética do bailarino Cleybson Lima. Daremos voz aos sentimentos espalhados por ela, são materiais para a construção desse casulo, queremos nos trans(formar) e quebrar qualquer forma de enquadramento.

Cleybson Lima – Bailarino atuante desde 2006 na cena da dança de Petrolina-PE e produtor cultural desde 2010, foi integrante da Cia. Balançarte e do Coletivo Trippé, atualmente no elenco  da  Qualquer um dos 2 Cia. de Dança, Cia. de Dança do Sesc Petrolina, Coletivo de Quarta (artes integradas) e o Coletivo Experiment’Ai. Começa sua trajetória individual com questões de gênero em 2012 com o trabalho E SE VOCÊ FOSSE?, aprovado no Quarta que Dança, e um videoarte homônimo. O segundo trabalho SE QUISER PODE MUDAR?, em 2014, fez um vídeo experimental com o nome Sentimentos Gis, que faz parte da pesquisa do solo de mesmo nome, aprovado no Prêmio Klauss Vianna de dança 2015. Agora, está se licenciando em Educação física pela UNOPAR Petrolina.

 

Texto Adriano Alves

Notícias

Sentimentos Gis leva questões de gênero para os palcos

Estreia do primeiro solo de Cleybson Lima acontece sexta (03), no Teatro Dona Amélia

bailarino Cleybson Lima em Sentimentos Gis . foto de Thierri Oliveira (3)1Gisberta Salce Junior, transexual brasileira agredida e violentada sistematicamente por 14 adolescentes durante dias em Portugal, tornou-se símbolo da luta contra a intolerância aos homossexuais. Essa é a história que deu início a pesquisa de Cleybson Lima para a construção de “Sentimentos Gis”, que ganhou outras relações e uma pesquisa sobre o corpo multifacetado em cena.  A estreia do espetáculo acontece sexta (03), às 19h, no Teatro Dona Amélia. Seguindo em temporada até o dia 19.

Essa não é a primeira criação de Lima com temáticas do corpo travesti/transexual, antes tendo experimentado diálogos com a performance e o vídeo. Questionado sobre o que levou a falar sobre esses assuntos, o bailarino diz que sente a necessidade de “questionar as pessoas sobre esse universo”. “É um tema atual, quero saber o motivo delas serem marginalizadas, coisa que acontece tanto”, completa.

Com direção de Thom Galiano e dramaturgia de Lennon Raoni, a montagem também contou com a participação de outros artistas na ficha técnica, Luisa Magaly na trilha sonora original, Fernando Pereira na iluminação, Maria Agrelli no figurino, Herbert Junior no designer gráfico e Nilzete Miranda na produção.

Este projeto foi contemplado com o Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna 2015, o que garantiu a montagem e uma temporada gratuita. Além da temporada, a equipe está produzindo o “Movimentos em TRANSito”, ciclo de conversas com convidados para falar sobre aspectos das vivências trans. A primeira acontece no sábado (04), junto com o espetáculo, contando com a participação de Dudu Rocha e Mycaela Bezerra.bailarino Cleybson Lima em Sentimentos Gis . foto de Thierri Oliveira (2)1

Sinopse – Andamos sobre fio da navalha ao nos aventurarmos em dar corpo à discussão de Gênero, mas chegamos a uma certeza que nesse terreno é impossível ter certezas. Assim nesse solo nos lançamos sobre todo universo imaginário que estivesse ao nosso dispor do mais profundo a superfície e vice-versa. Dançamos: Memórias, teorias, ícones, estigmas. Não falaremos sobre a vida de Gis a transexual que se tornou principal inspiração da pesquisa poética do bailarino Cleybson Lima. Daremos voz aos sentimentos espalhados por ela, são materiais para a construção desse casulo, queremos nos trans(formar) e quebrar qualquer forma de enquadramento.

Cleybson Lima – Bailarino atuante desde 2006 na cena da dança de Petrolina-PE e produtor cultural desde 2010, foi integrante da Cia. Balançarte e do Coletivo Trippé, atualmente no elenco  da  Qualquer um dos 2 Cia. de Dança, Cia. de Dança do Sesc Petrolina, Coletivo de Quarta (artes integradas) e o Coletivo Experiment’Ai. Começa sua trajetória individual com questões de gênero em 2012 com o trabalho E SE VOCÊ FOSSE?, aprovado no Quarta que Dança, e um videoarte homônimo. O segundo trabalho SE QUISER PODE MUDAR?, em 2014, fez um vídeo experimental com o nome Sentimentos Gis, que faz parte da pesquisa do solo de mesmo nome, aprovado no Prêmio Klauss Vianna de dança 2015. Agora, está se licenciando em Educação física pela UNOPAR Petrolina.

Adriano Alves

Especiais

A metalinguagem teatral em cena

No espetáculo, O 3º SInal, o teatro fala sobre si mesmo. A historia se desenrola momentos antes do terceiro sinal que anuncia a abertura das cortinas.

 

DSC_0477
Foto de Christoval Araujo

A ideia da peça, O 3º Sinal, nasceu de uma pesquisa do diretor Thom Galiano sobre a história do teatro da cidade de Petrolina. A partir daí ele decide fazer uma homenagem ao teatro local, trabalhando um texto da Claúdia Barral, de Salvador, que leva o público a mergulhar no universo do teatro por trás das coxias. Lugar invisível aos olhos da plateia, onde estão as inseguranças e os conflitos.

O ponto central nessa história são os conflitos entre uma geração consagrada e a nova geração do teatro. Conflitos trazidos de forma cômica. Colocando os estereótipos da “grande atriz”, do “diretor inexperiente e neurótico”, da “atriz coadjuvante”, que inveja a grande atriz, todos confrontados em cena. Assim, acontece aqui uma reflexão acerca do que é o teatro.

DSC_0502
Elisabet Moreira – Foto de Christoval Araujo

No palco estarão contracenando nomes importantes do teatro de Petrolina como o ator Justino Filho, que atua em diferentes áreas do teatro como: figurino, cenário, coreografia e atuação e retoma os palcos a partir do convite do diretor Thom Galiano, após anos de afastamento. Benigna Areias também retorna aos palcos após ter ficado três anos distante por questões de saúde e agora volta atuando como a “segunda atriz”— aquela que tem inveja da atriz consagrada.

Fazendo o papel da “grande atriz” temos Elisabet Moreira, professora, poetisa, escritora, pintora, mas uma estreante nos palcos. Ela conta que no ano em que completa 70 anos decidiu aceitar o desafio, “tem tanta coisa acontecendo” conta ela. Sua relação com o teatro até então havia sido como apreciadora e curiosa, fez alguns cursos para liberta-se da timidez quando era mais jovem e depois por curiosidade fez algumas oficinas, mas nunca havia se apresentado nos palcos antes. Ela conta estar muito feliz com o desafio e diz se divertir muito e gostar dos laços criados entre a equipe.

DSC_0500-2
Benigna Areias – Christoval Araujo

A peça estreia hoje à noite no teatro Dona Amélia, no SESC, e ficará em cartaz 10, 16 e 17 de julho, sempre às 20h. Os ingressos custam R$ 40,00 (inteira), R$ 20,00 (meia) e R$ 30,00 (antecipado).

 

 

 

 

Por Larissa Mota Calixto

Ficha Técnica

Direção: Thom Galiano

Texto: Cláudia Barral

Elenco: Elisabet Moreira, Justino Filho, Benigna Areias, Marcos Velasch e Joedson Silva

Assistente de Direção: Raphaela De Paula

Direção de Produção: Joedson Silva

Produção Executiva: Caleidoscópio Produções

Fotografias: Silvia Nonata

Assessoria de Imprensa: Três Assessoria & Comunicação

Direção de Arte: Wechila Andrade

Concepção de Luz: Carlos Tiago

Execução de Luz: Isaac Saraiva

Arte Gráfica: Thom Galiano e Elizandra França

Tratamento de Imagens: Victor Lisbôa

 

 

Notícias

Mostra de Música Dona Amélia com programação gratuita

O projeto está com inscrições abertas até sexta-feira (27) para uma oficina de capacitação

Dona Amélia tocando o tamborte do samba | foto de Ruben Henrique
Dona Amélia tocando o tamborete do samba | foto de Ruben Henrique

A música invade o Teatro Dona Amélia com uma mostra que recebe o seu mesmo nome, em homenagem a matriarca do Samba de Véio da Ilha do Massangano. Até o dia 28, o Sesc de Petrolina realiza a terceira edição do projeto, que esse ano traz apresentações musicais, conversas com artistas e uma oficina de capacitação.

Hoje (25), a programação começa às 20h com as apresentações “Sertão: Diálogos avançados” do Grupo Mosaico e “Coisas Nossas” de Juliana Cruz. Depois de se apresentarem, acontece a ação “Portifólio”, onde os músicos conversam sobre seus processos artísticos.

De acordo com Petrônio Munduri, coordenador da mostra, a proposta é lançar um olhar sob os compositores locais, dentro da perspectiva do grupo que está se apresentando. “A ideia é fomentar os compositores e os grupos para que estes se apropriem da necessidade de partilharem entre si a musica local, criando uma ponte entre músicos e publico”, explica o artista.

Oficina:

Estão abertas as inscrições para a oficina “O Passo – Corpo e mente na mesma pulsação”, que vai ser ministrada pela recifense Lila Santos, nos dias 27 e 28. As aulas são voltadas para músicos e educadores musicais e vão acontecer na Sala de Dança do Sesc Petrolina, das 14h às 18h. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas até a próxima sexta-feira (27), na coordenação de Cultura da unidade.

Notícias

Univasf será tema de palestra da XVII Convenção do Distrito LA-5 da Associação Internacional de Lions Clubes

A convenção deverá reunir cerca de 400 participantes de todas as cidades que compõem o Distrito LA-5, entre elas, pessoas que se destacam em suas comunidades, como lideranças formadoras de opinião.

A Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) será um dos temas da XVII Convenção do Distrito LA-5 da Associação Internacional de Lions Clubes. O evento será realizado nos dias 15 e 16 de abril, no Teatro Dona Amélia, no Sesc, em Petrolina (PE). O reitor Julianeli Tolentino de Lima irá ministrar a palestra “O impacto da Univasf no Vale do São Francisco”, no sábado (16), às 9h.

O evento é aberto a toda a comunidade e as inscrições para participar estão abertas até o dia da convenção. O objetivo é apresentar à sociedade as ações comunitárias realizadas pelo Lions durante o ano. A solenidade de abertura será realizada no dia 15 de abril, a partir das 20h30. Ainda serão realizados ciclo de palestras e discussões com a participação da Prefeitura de Petrolina, do 72º Batalhão de Infantaria Motorizado (BIMtz) e de outros órgãos públicos. A programação completa está disponível abaixo.

Os interessados em participar devem realizar a inscrição por meio de preenchimento de formulário, no link abaixo. A taxa de inscrição é no valor de R$ 120,00. O formulário deve ser enviado junto com o comprovante de depósito de pagamento para o e-mail convencaola5petrolina@gmail.com ou trajanomaia@gmail.com. O evento é realizado anualmente pelos Lions Clubes localizados no Distrito LA-5, que corresponde aos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba, e algumas cidades de Pernambuco.

Segundo o diretor geral do evento, Euclides Mendes, falar sobre o impacto da Univasf na região é bastante importante. “A intenção é tornar a sociedade consciente dos benefícios que a Univasf vêm trazendo para a região, porque estarão presentes pessoas de outros estados que não estão acompanhando, não veem o crescimento da região, que existe também por meio do ensino e a Univasf é o carro chefe”, ressalta.

Ainda de acordo com ele, a convenção deverá reunir cerca de 400 participantes de todas as cidades que compõem o Distrito LA-5, entre elas, pessoas que se destacam em suas comunidades, como lideranças formadoras de opinião. “Nós queremos dizer não só que existe o Lions Clube, mas divulgar nossas ações, realizadas através de trabalhos voluntários que realizamos na sociedade”, afirma Mendes.