Notícias

A força da mulher nordestina no cinema brasileiro na década de 80, é tema do Livro de Carla Paiva, professora da Uneb, que será lançado no Janela 353 Petrolina

“O trabalho é uma reflexão sobre as representações das mulheres nordestinas presentes no cinema brasileiro da década de 1980 e a relação dessas encenações com o movimento feminista da época”, explica a autora.

Foto: Divulgação

Uma pesquisa acadêmica que virou livro, conta como as mulheres nordestinas foram representadas no cinema brasileiro na década de 1980. O livro “Feminismo no cinema brasileiro da década de 1980: a representação das mulheres nordestina nas telas”, da professora da UNEB, Carla Conceição da Silva Paiva, será lançado dia 30 de novembro, em Petrolina.

“O trabalho é uma reflexão sobre as representações das mulheres nordestinas presentes no cinema brasileiro da década de 1980 e a relação dessas encenações com o movimento feminista da época”, explica a professora Carla, que é pesquisadora com experiência na área de comunicação, educação e artes, com ênfase em Cinema, concentrando seus estudos, principalmente em representações de gênero e sexualidade, cinema brasileiro, mulheres, cinema-história, nordeste, feminismo.

Foto: Divulgação

O livro “Feminismo no cinema brasileiro da década de 1980: a representação das mulheres nordestina nas telas”, como parte da programação da  Janela 353, em Petrolina, às 19h, do dia 30 de novembro na Mostra Sesc de Cinema em Pernambuco, que acontecerá dos dias 22 a  30 de novembro.

 Sobre a autora

Carla Paiva é formada em Comunicação Social Relações Públicas, com especialização em Relações Públicas, mestrado em Educação, doutorado em Multimeios e aperfeiçoamento em Intensivo de Cinema Digital pela Academia Internacional de Cinema. Atualmente, é professora Adjunta da Universidade do Estado da Bahia, atuando na graduação em Jornalismo e no mestrado em Educação, cultura e Territórios Semiáridos.

 Serviço

 O que? Lançamento do livro “Feminismo no cinema brasileiro da década de 1980: a representação das mulheres nordestina nas telas”, de Carla Conceição da Silva Paiva

Quando? 30 de novembro, 19h

Onde? SESC Petrolina

Contato: Maria Lima (87) 99975-1991

 

 Por Maria Lima

Notícias

Mês das crianças terá temporada infantil do Coletivo Trippé

Espetáculo Debaixo D’Água se apresenta no Teatro Dona Amélia

 

O mês das crianças já começa com programação cultural em Petrolina-PE. O Coletivo Trippé realiza uma temporada de seu mais recente espetáculo, o Debaixo D’Água, obra de dança que leva para a cena discussões ambientais de forma lúdica, incentivando a imaginação da criança com materiais reciclados. As apresentações acontecem nos dias 05 e 06 de outubro, às 19h, no Teatro Dona Amélia do Sesc Petrolina.

Chamada de uma “aventura flutuante” por seus criadores, a obra cria coreografias com temas do mundo das da água, pensando em discutir com as crianças sobre sua importância e preservação. “A gente convida as crianças e suas famílias para viver uma experiência cênica, brincar com a gente e aprender se divertindo. Nós sempre pensamos em criar obras infantis que de alguma forma contribuam com o desenvolvimento da criança, estimulando sua criatividade”, diz Adriano Alves, diretor do espetáculo.

Essa já é a terceira temporada do espetáculo na região, que também já circulou por diversos festivais, como o Festival de Inverno de Garanhuns, o Festival Internacional Vivadança em Salvador, e participou de mostras de artes locais. O Coletivo Trippé, que reúne artistas de Juazeiro-BA e Petrolina-PE, ganha cada vez mais espaço nos festivais e circuitos nacionais, em diversos estados. Ainda este mês, o grupo embarca para Recife-PE, integrando a programação do Festival Internacional da Dança Recife.

Os ingressos custam apenas R$ 10,00 (meia) e R$ 20,00 (inteira). As vendas antecipadas acontecem no balcão da Vale Ingressos no River Shopping e no dia do evento na bilheteria do teatro, que abre uma hora antes do início da apresentação. Mais informações estão nas redes sociais do coletivo (fb.com/coletivotrippe /@trippecoletivo) e também podem ser solicitadas por e-mail (coletivotrippe@gmail.com).

SERVIÇO – Espetáculo Debaixo

 D’água

O que é? Espetáculo de Dança para crianças.

Quando? 05 e 06/10/19, às 19h.

Onde? Teatro Dona Amélia – Sesc Petrolina, Avenida Fernando Góes, Centro.

Quanto? R$ 10,00 (meia) e R$ 20,00 (inteira).

Ingressos antecipados no balcão do Vale Ingressos.

A bilheteria abre às 18h.

SINOPSE:

Um convite a mergulhar em um mundo de aventuras, Debaixo D’Água reúne as peripécias de quatro brincantes que dão vida a objetos inanimados. Baldes, garrafas e sacolas viram animais aquáticos e outros despropósitos, em um jogo onde o mais importante é estar junto. Aqui, dança-se a água, sua importância e sua falta, dança-se com suas histórias e seus problemas para que o olhar da criança se atente para suas belezas.

 

Por Adriano Alves

Jornalista – Uneb

Pós-graduado em Arte Educação – Censupeg/SescPE

Matérias

Aldeia do Velho Chico celebra 15 anos com grande programação

Entre as atrações musicais do festival estão os cantores Rita Beneditto, Mariana Aydar, Larissa Luz, Almério e Alessandra Leão

Foto: Fernando Pereira

Durante o mês de agosto Petrolina vai se tornar a capital cultural do Sertão pernambucano.  De 16/8 a 31/8 o Sesc, em parceria com a Prefeitura Municipal,  movimentará a cidade com a realização da 15ª edição da Aldeia do Velho Chico – Festival de Artes do Vale do São Francisco. A programação comemorativa de 15 anos do festival, que acontecerá em Petrolina, Juazeiro (BA) e Lagoa Grande (PE), foi lançada na manhã desta quinta-feira (8/8)  no Teatro Dona Amélia. Consolidado como importante projeto multicultural do Vale do São Francisco, a Aldeia é um desdobramento do Palco Giratório, maior projeto de artes cênicas em circulação no país, e contará com a participação de mais de cem artistas regionais e nacionais.

O homenageado desta edição será o Grupo TPA (Teatro Popular de Arte) de Petrolina, companhia que contribuiu para a construção do movimento teatral na região, com uma trajetória de mais de 30 anos. O tema escolhido para a edição é a hashtag  #SOMOSALDEIA, para designar um jeito de pensar coletivo que se desdobra a partir da diferença potencializada pela multiplicidade que a arte e a cultura na contemporaneidade propõem. “O projeto solidificou uma política de cultura. Desde 2005, se a gente for fazer uma avaliação, a quantidade de grupos que surgiu a partir da expectativa do festival, para acolher suas produções, é muito grande. Percebemos ao longo dos anos o crescimento das linguagens artísticas, mostrando que é possível profissionalizar a arte. É o festival que tem trazido espetáculos atuais, contemporâneos, artistas que trazem outros modos de produzir. É um festival atento ao tempo, as discussões atuais, como: racismo, intolerância, violência contra a mulher, homofobia. Pensar isso dentro dos recortes curadoriais também são demandas deste festival, que acaba sendo também um lugar de educação através da arte”, destaca o supervisor de cultura do Sesc Petrolina, Jailson Lima.

A abertura acontece no dia 16 de agosto, a partir das 15h, no Sesc Petrolina, com a Mostra Pedagógica das Oficinas que terão início no dia 12/8, seguida pelo Painel de Visualidades da Aldeia, apresentação do Reisado da Comunidade Quilombola Mata de São José (Orocó-PE) e Maracatu Beira-rio (Petrolina). Logo depois, às 17h, o tradicional cortejo Abre Alas pro Velho Chico parte do Sesc e vai percorrer as principais ruas do centro comercial da cidade com a Frevuca, até a Orla. A partir das 18h, a programação acontecerá no palco montado na Orla de Petrolina, com apresentações do Reisado da Comunidade Quilombola do Lambedor (Lagoa Grande-PE), São Gonçalo de Amarante de Zezinho do Vira Beiju (Petrolina), Quadrilha Explode Coração (Petrolina) e Quadrilha Buscapé (Juazeiro-BA). Os shows musicais serão abertos às 19h30 com a cantora caruaruense Gabi da Pele Preta e logo depois o grupo Mande in Quebrada (Juazeiro-BA). A noite de abertura será encerrada com o show Tecnomacumba, da cantora maranhense Rita Beneditto.

Até o dia 31 diversas atrações se revezarão na Aldeia, que contará com espetáculos musicais no Teatro Dona Amélia com a cantora Mariana Aydar (São Paulo –SP),  que se apresentará no dia 23, às 20h30, e a cantora pernambucana Alessandra Leão, no dia 29/8, às 20h30. Os cantores Larissa Luz (Salvador-BA) e Almério (Caruaru-PE), farão seus shows no Virarte, no último dia do festival. Com apresentações em Petrolina, em Juazeiro e Lagoa Grande, a programação ainda contará com grandes apresentações de teatro, como “Se eu fosse Iracema”, do 1Comum Coletivo (Rio de Janeiro-RJ), que integra o projeto Palco Giratório. As crianças também terão espaço na grade do Aldeia com espetáculos voltados especialmente para elas, como “Estelita entre fadas e outros bichos”, da Trup Errante (Petrolina-PE).

O último dia do festival (31/8) começará às 16h, com a intensa programação do Virarte. Além dos cantores Larissa Luz e Almério, o encerramento do festival contará com apresentações teatrais e de dança.  Durante o Virarte, o Mercado Cultural vai funcionar no corredor do Sesc comercializando diversos produtos. A programação completa da Aldeia do Velho Chico pode ser conferida no site do Sesc Pernambuco (www.sesc.org.br) .

Toda a programação do Aldeia do Velho Chico é gratuita, com exceção dos espetáculos realizados no Teatro Dona Amélia, que terão ingressos vendidos a R$ 20 (Inteira) e R$ 10  (Meia). Trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo têm desconto, pagando apenas R$ 5. Para o show  de Mariana Aydar  o ingresso custa R$ 30 se for comprado antecipadamente, R$ 40 (Inteira), R$ 20 (Meia) e R$10 (Trabalhadores do Comércio e dependentes). Este ano, Para ter acesso à programação do Virarte o público pode optar por pagar R$10 ou doar 2 Kg de alimento não perecível que será doado ao Banco de Alimentos do Sesc Petrolina. Um programa de responsabilidade social do Sesc que atua para diminuir o abismo da desigualdade social no país, minimizando os efeitos da fome e da desnutrição.

A aldeia do Velho Chico conta com o apoio do Instituto Federal do Sertão Pernambucano – IFSertão, TV Grande Rio, Janela 353, Vapor do Vinho, Café de Bule e JB Hotel.

Foto: Divulgação

Serviço:

Festival Aldeia do Velho Chico

Local: Petrolina, Juazeiro e Lagoa Grande

Data: 16 a 31 de agosto

Ingressos: Teatro D. Amélia: R$ 20 (Inteira), R$ 10 (Meia) 5 (Trabalhadores do Comércio e dependentes).  Show de Mariana Aydar: R$ 30 antecipado, R$ 40 (Inteira), R$ 20 (Meia) 10 (Trabalhadores do Comércio e dependentes). Virarte: 2 Kg de alimento não perecível ou R$ 10 (Acesso a toda programação, porém, é necessário retirar senha uma hora antes de cada espetáculo). Nos demais locais a entrada é gratuita, porém, limitada à capacidade de cada espaço.

Informações: (87) 3866- 7454

Acom.

 

 

Notícias

Sonora Brasil celebra a música indígena em Petrolina

Apresentações gratuitas dos grupos Memória Fulni-ô e Dzubucuá compõem programação no Teatro Dona Amélia e no IF Sertão

A musicalidade indígena tomará conta do Sesc Petrolina nos dias 6 e 7 de maio. Com o tema “A música dos povos originários do Brasil”, a 22ª edição do projeto nacional Sonora Brasil traz à cidade apresentações de grupos indígenas de Pernambuco e Alagoas, além de debate e exibição de filme. Toda a programação é gratuita e será realizada no Teatro Dona Amélia e no IF Sertão.

A primeira atividade uma roda de conversa na segunda-feira (6/5), às 16h, no Teatro Dona Amélia, Sesc Petrolina, com as etnias Kariri-Xocó (AL), Fulni-ô (PE) e Truká (PE). Depois, a partir das 19h, se apresentam os Trukás (Cabrobó-PE) e os grupos Memória Fulni-ô e Dzubucuá.

Na terça (7/5), a programação ocorrerá no auditório do IF Sertão. Às 14h, haverá uma aula-espetáculo com Wadja Fulni-ô e às 19h o público poderá assistir ao filme “Martírio”, dos diretores Vicente Carelli, Ernesto de Carvalho e Tita. O documentário analisa a violência sofrida pelo grupo Guarani Kaiowá, que habita as terras do centro-oeste brasileiro, entrando constantemente em conflito com as forças de repressão e opressão organizadas pelos latifundiários, pecuaristas e fazendeiros locais.

Fulni-ô – As músicas tradicionais do povo Fulni-ô são o toré e a cafurna. O Toré é um ritual sagrado e consiste em um cântico coletivo sem letra em que se utilizam instrumentos de sopro junto à percussão. As cafurnas, em yaathe unakesa, são cantadas e acompanhadas de maracás de mão e de tornozelo e retratam a realidade e o contexto indígena, tratando de temas que abrangem aspectos como preservação da natureza, reverência aos animais da região e identidade indígena.

Kariri-Xocó – Os Kariri-Xocó vivem na região do baixo São Francisco em Alagoas e também têm como tradição o canto do toré, ritual indígena mágico-espiritual que envolve performance corporal e música. Os torés tradicionais não têm letras e utilizam os buzos (espécie de flauta), maracás de mão e de tornozelos. No repertório, além dos torés, estão os rojões, que são um reflexo do trabalho nas fazendas e da dinâmica de trocas culturais ocorridas na região. As letras cantadas em português possibilitam conhecer um pouco da história do povo.

Sesc – O Serviço Social do Comércio (Sesc) foi criado em 1946. Em Pernambuco, iniciou suas atividades em 1947. Oferece para os funcionários do comércio de bens, serviços e turismo, bem como para o público geral, a preços módicos ou gratuitamente, atividades nas áreas de educação, saúde, cultura, recreação, esporte, turismo e assistência social. Atualmente, existem 20 unidades do Sesc do Litoral ao Sertão do estado, incluindo dois hotéis, em Garanhuns e Triunfo. Essas unidades dispõem de escolas, equipamentos culturais (como teatros e galerias de arte), restaurantes, academias, quadras poliesportivas, campos de futebol, entre outros espaços e projetos. Para conhecer cada unidade, os projetos ou acessar a programação do mês do Sesc em Pernambuco, basta acessar www.sescpe.org.br.

Serviço: Sonora Brasil

Dias 6 e 7 de maio

Locais: Teatro Dona Amélia (R. Pacífico da Luz, 618 – Centro) e IF Sertão (R. Maria Luzia de Araújo Gomes Cabral, 791 – João de Deus)

Acesso gratuito

Informações: (87) 3866 -7454

Por Fabiano Barros

 

 

Notícias

Mostra 14 de Dança reúne grupos de todo país em Petrolina de 11 a 16 de dezembro

De acordo com um dos coordenadores da mostra, Jailson Lima, serão seis dias intensos com abordagens pertinentes e atuais acerca do desenvolvimento dos trabalhos em grupos de dança contemporânea. “Uma oportunidade para pensarmos nossa atividade como dispositivo de articulação coletiva enquanto gesto político de atuação e transformação sobre o mundo”.

Foto: Abajur Soluções em Audivisual

‘Como viver junto?’ É a partir desta provocação que alguns dos principais grupos de dança do país se reúne em Petrolina – PE entre os dias 11 e 16 deste mês. Com uma programação cheia de espetáculos, oficinas, vídeos, performances e muitas conversas, a Mostra 14 de Dança chega à sétima edição focada na acessibilidade e com um olhar que vai do afeto à ética.

A realizadora do evento, cia de dança Qualquer Um dos 2, começa os trabalhos na terça-feira (11), no Sesc, com a oficina ‘Práticas de Ajuntamento’ ministrada por Mariana Pimentel, vinda do Rio de Janeiro. Daí em diante o tema da mostra vai estar nos quatro cantos do teatro Dona Amélia ao espaço Janela 353, no centro da cidade, ao lado do colégio Auxiliadora.

Foto: Abajur Soluções em Audivisual

Uma oportunidade e tanto para conferir o trabalho de grupos como o Giradança (Natal – RN) que vem com o espetáculo Die Einen, Die Anderen – Alguns Outros e Claudio Lacerda/ Dança Amorfa (Recife- PE) apresentando Transiterrifluxório. E tudo com uma novidade que vai agradar em cheio:  o preço do ingresso o público paga quanto quiser.

De acordo com um dos coordenadores da mostra, Jailson Lima, serão seis dias intensos com abordagens pertinentes e atuais acerca do desenvolvimento dos trabalhos em grupos de dança contemporânea. “Uma oportunidade para pensarmos nossa atividade como dispositivo de articulação coletiva enquanto gesto político de atuação e transformação sobre o mundo”.

Foto: Abajur Soluções em Audivisual

A 7ª edição da Mostra 14 de Dança tem o incentivo do Funcultura e o apoio da TV Grande Rio, Sesc, Abajur Soluções em Audivisual e o Café de Bule. Inscrições para oficinas e mais informações, acesse o site: qualquerumdos2.com e visite o Face: qualquerumdos2/ Instagram: @qualquerumdos2 e o Youtube: qualquerumdos2.

Por Carlos Laerte

Notícias

‘Sentimentos Gis’ continua temporada gratuita no Teatro Dona Amélia

Na sexta (07), haverá sessão com a participação de uma intérprete de Libras

Foto: Thierry Oliveira

O bailarino Cleybson Lima leva para a cena discussões sobre gênero e sexualidade no espetáculo ‘Sentimentos Gis’, solo inspirado na trágica história de Gisberta, uma transexual brasileira que foi brutalmente assassinada na Europa. O artista iniciou uma temporada de apresentações gratuitas no dia 29 de agosto, seguindo ainda até o próximo final de semana, entre quinta (06) e domingo (09).

As sessões acontecem no Teatro Dona Amélia, sempre às 19h. O espetáculo cumpre um total de nove apresentações, possibilitando a manutenção do trabalho e da discussão de seus temas, cada vez mais necessários e contemporâneos. “Uma temporada longa mantém o trabalho vivo. Ainda é preciso falar de preconceito, pois estamos no país que mais mata LGBTs no mundo”, comenta Cleybson, que assina a criação da obra junto com o diretor Thom Galiano e o dramaturgista Lennon Raoni.

Na sexta (07), a produção investe em recursos de acessibilidade, quando haverá a presença de uma intérprete de Libras para as falas e músicas, além da adequação do espaço para cadeirantes que é garantida em todo o projeto. Também é possível realizar agendamento de grupos, os interessados devem entrar em contato com a produção nos telefones (87) 9.9811-1799 [Cleybson Lima] ou (87) 9.8865-1881 [Wendell Britto].

A bilheteria do teatro abre uma hora antes e a classificação indicativa é para maiores de 18 anos. Mais detalhes sobre a temporada podem ser acompanhados no site e nas redes sociais do espetáculo @sentimentosgis e no site www.sentimentosgis.livreh.com.

Por Adriano Alves

Notícias

Salão Universitário de Arte Contemporânea do Sesc abre inscrição no estado

Completando dez anos este ano, a iniciativa traz como tema “Fabulações para um mundo em catástrofe”. Podem participar coletivos e estudantes do ensino superior

Sesc Petrolina: Foto: Blog Waldiney Passos

O Salão Universitário de Arte Contemporânea (Unico) do Sesc, que completa dez anos este ano, abre inscrição em todo o estado para projetos de coletivos e estudantes de graduação do ensino superior. Nesta edição, a iniciativa explora como tema “Fabulações para um mundo em catástrofe”, voltado ao entendimento político e ético da estrutura social e como buscar estratégias poéticas para essa realidade. Os trabalhos selecionados participaram de exposições na Galeria de Artes Corbiniano Lins, em Santo Amaro, e na Galeria de Arte Ana das Carrancas, em Petrolina.

Para se inscrever é necessário baixar e preencher o formulário disponibilizado online no site da instituição (www.sescpe.org.br), que deverá ser impresso, assinado e entregue até o dia 15 de setembro. Os participantes da Região Metropolitana do Recife devem entregar os projetos no setor de cultura do Sesc Santo Amaro, na Rua Treze de Maio, nº 455. Já os de outras regiões podem deixar os trabalhos em qualquer unidade do Sesc Pernambuco.

Cada inscrito ou coletivo pode inscrever até dois projetos, sendo apenas um selecionado para o Salão. É preciso entregar em anexo breve memorial descritivo, uma carta de intenção indicando experiências anteriores, o comprovante de vínculo com a instituição superior, além do material para apresentação da obra à comissão, que pode ser no formato de croqui, storyboard ou fotografia. Os trabalhos em vídeos deverão ser entregues com duas cópias.

Os aprovados na seleção, que acontece de 20 a 22 de setembro, participarão das ações formativas para as exposições. A seleção é realizada por uma comissão curatorial ligada às artes visuais. Os aprovados para expor no Unico recebem incentivo financeiro de dois mil reais para cada projeto. O resultado será publicado no site do Sesc até o dia 24 de setembro.

Sesc – O Serviço Social do Comércio (Sesc) foi criado em 1946. Em Pernambuco, iniciou suas atividades em 1947. Oferece para os funcionários do comércio de bens, serviços e turismo, bem como para o público geral, a preços módicos ou gratuitamente, atividades nas áreas de educação, saúde, cultura, recreação, esporte, turismo e assistência social. Atualmente, existem 19 unidades do Sesc do Litoral ao Sertão do estado, incluindo dois hotéis, em Garanhuns e Triunfo. Essas unidades dispõem de escolas, equipamentos culturais (como teatros e galerias de arte), restaurantes, academias, quadras poliesportivas, campos de futebol, entre outros espaços e projetos. Para conhecer cada unidade, os projetos ou acessar a programação do mês do Sesc em Pernambuco, basta acessar www.sescpe.org.br.

Serviço:

Inscrição Salão Universitário de Arte Contemporânea do Sesc

Data: 10 de agosto a 15 de setembro

Site: www.sescpe.org.br

Por Fabiano Barros

Notícias

Sesc realiza Aldeia do Velho Chico de 1º a 11 de agosto

Entre as atrações musicais do festival estão as cantoras Alice Caymmi, Larissa Luz e o grupo Cordel do Fogo Encantado.

Cordel do fogo Encantado. Foto: Jonas Tucci

A arte vai tomar conta das cidades de Petrolina e Lagoa Grande, em Pernambuco, e de Juazeiro, na Bahia, durante o mês de agosto.  De 1º a 11 o Sesc Petrolina realiza a 14ª edição do Aldeia do Velho Chico – Festival de Artes do Vale do São Francisco. A programação reúne mais de 100 artistas regionais e nacionais em shows musicais, espetáculos teatrais, dança, literatura, cinema e oficinas.  Consolidado como importante projeto multicultural do Vale do São Francisco, o Aldeia é um desdobramento do Palco Giratório, maior projeto de artes cênicas em circulação no país.

Com o tema “#Sua Parte Parte de Você”, o Festival propõe uma reflexão sobre a política da arte e nas suas funções sociais, e a partir disso foram selecionados trabalhos voltados para o tema, assim como, artistas que são engajados politicamente abordando questões de gênero, questões étnicas, entre outras. “Outra questão cerne da curadoria é trazer aos públicos a ideia de que a política é construída e resignificada a partir da ação individual de cada um que se soma a de outros na coletividade, assim, chegamos ao tema  #Sua Parte Parte de Você”, explica o instrutor de atividades artísticas do Sesc Petrolina, André Vitor Brandão. O tema apresenta propositalmente uma hashtag  tendo, em vista que, no mundo virtual a hashtag funciona como lugar de ajuntamento, onde assuntos e pessoas podem ser agrupados e conectados. Soma-se a isso a questão de que recentemente a hashtag foi bastante utilizada como lugar de protesto e contestação.

A abertura acontece no dia 1º de agosto, a partir das 14h, com o tradicional cortejo Abre alas pro Velho Chico que parte do Sesc e vai percorrer as principais ruas do centro comercial da cidade. No mesmo horário, no hall do Teatro Dona Amélia, acontecerá o Painel Instantâneo de Fotografia.  Ainda no teatro, às 15h, acontecerão as apresentações da Mostra Pedagógica de Artes Cênicas. Às 16h, o Boi Diamante (Arcoverde-PE), a Frevuca e Orquestra de Frevo (Petrolina-PE) tomam as ruas em um cortejo da cultura popular. A partir das 17h, a programação acontecerá no palco montado na Orla de Petrolina, com apresentações do Afoxé Filhos de Zaze (Juazeiro-BA), Reisado da Comunidade Quilombola da Mata de São José (Orocó-PE),  Quadrilha Buscapé, Samba de Veio da Ilha do Massangano (Petrolina-PE), Reisado da Comunidade do Lambedor (Lagoa Grande), Quadrilha Encanto Nordestino e Tio Zé Bá (Petrolina). A noite de abertura será encerrada às 21h pelo grupo Cordel do Fogo Encantado (Arcoverde), em sua nova turnê: Viagem ao coração do Sol.

Até o dia 11 diversas atrações se revezarão para entreter e estimular o pensamento crítico. O Aldeia contará com espetáculos musicais com as cantoras Alice Caymmi (Rio de Janeiro), que se apresentará no dia 2, no Teatro Dona Amélia, e Larissa Luz (Salvador), que fará seu show no último dia do festival. Com apresentações em Petrolina, em Juazeiro e Lagoa Grande, a programação ainda contará com grandes apresentações de teatro, como “Farinha com açúcar – Ou sobre a sustança de meninos e homens”, do Coletivo Negro (São Paulo-SP), que integra o projeto Palco Giratório. As crianças também terão espaço na grade do Aldeia com espetáculos voltados especialmente para elas, como “Vento Forte para Água e Sabão”, da Cia Fiandeiros de Teatro (Recife).

As artes visuais também terão espaço garantido. No dia 2 de agosto, será aberta na Galeria de Artes Ana das Carrancas, às 19h, a exposição “A Gravura de Lasar Segall: poesia da linha e do corte” (São Paulo). Uma oportunidade imperdível para observar gravuras e xilogravuras originais de Segall. Já a tradicional Mostra Flutuante acontecerá no dia 8 de agosto, a partir das 14h, levando trabalhos de artes visuais a quem atravessar o rio São Francisco de barquinha em direção a Juazeiro.

Larissa Luz. Foto: Ilê David

O último dia do festival (11/8) começará às 16h, com a intensa programação do Virarte. Além da cantora Larissa Luz e do Coco das Irmãs Lopes (Arcoverde), o encerramento do festival contará com “Você é o que lê” com Gregório Duvivier, Maria Ribeiro (Rio de Janeiro) e Xico Sá (São Paulo), apresentações teatrais e de dança.  Durante o Virarte, o Mercado Cultural vai funcionar no corredor do Sesc comercializando diversos produtos.

Toda a programação do Aldeia do Velho Chico é gratuita, com exceção dos espetáculos realizados no Teatro Dona Amélia, que terão ingressos vendidos a R$ 20 (Inteira) e R$ 10  (Meia). Trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo têm desconto, pagando apenas R$ 5. Para o show  de Alice Caymmi  o ingresso custa R$ 40 (Inteira), R$ 20 (Meia) e R$10 (Trabalhadores do Comércio e dependentes).

Este ano, para ter acesso à programação do Virarte o público pode optar por pagar R$5 ou doar 1 Kg de alimento não perecível que será doado ao Banco de Alimentos do Sesc Petrolina. Um programa de responsabilidade social do Sesc que atua para diminuir o abismo da desigualdade social no país, minimizando os efeitos da fome e da desnutrição.

OFICINAS – Além da programação de espetáculos as ações formativas do festival são direcionadas para o público iniciante e também profissional. As oficinas de iniciação de dança e teatro são voltadas para públicos específicos, com inscrições que já estão encerradas e acontecerão de 23 a 30 de julho na Apae (Petrolina), na Associação de Mulheres Rendeiras (Petrolina), Ilha do Massangano (Petrolina); Espaço Filhos de Zaze (Juazeiro); EREMCC (Petrolina) e Cetepe (Lagoa Grande).

Para aqueles que têm alguma vivência com a arte ou são profissionais, estão com inscrições abertas no Sesc Petrolina (R. Pacífico da Luz, 618 – Centro) as turmas para oficinas de capacitação de canto, teatro, dança, literatura, performance e cinema, que serão realizadas de 2 a 10 de agosto. Para participar basta se inscrever por R$ 30 (Público em geral), R$ 15 (Estudante). Trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo têm desconto, pagando R$ 10.

Alice Caymmi – Foto: Darian Dornelles

Serviço:

Festival Aldeia do Velho Chico

Local: Petrolina, Juazeiro e Lagoa Grande

Data: 1 a 11 de agosto

Ingressos: Teatro D. Amélia: R$ 20 (Inteira), R$ 10 (Meia) 5 (Trabalhadores do Comércio e dependentes).  Show  de Alice Caymmi: R$ 40 (Inteira), R$ 20 (Meia) 10  (Trabalhadores do Comércio e dependentes). Virarte: 1 Kg de alimento não perecível ou R$ 5 (Acesso a toda programação, porém, é necessário retirar senha uma hora antes de cada espetáculo). Nos demais locais a entrada é gratuita, porém, limitada à capacidade de cada espaço.

Informações: (87) 3866- 7454

Programação:

01/08 a 11/08 – Café de Bule | Cena Gastrô – Cardápio especial com pratos personalizados

01/08 – Quarta – (Cortejo Abre alas pro Velho Chico)

14h – Hall Teatro D. Amélia | Painel Instantâneo

15h – Teatro D. Amélia | Mostra Pedagógica

16h – Rua em frente ao Sesc | Boi Diamante (Arcoverde-PE), Frevuca e Orquestra de Frevo (Petrolina-PE)

17h – Palco Porta do Rio | Afoxé Filhos de Zaze (Juazeiro-BA), Reisado da Comunidade Quilombola da Mata de São José (Orocó-PE),  Quadrilha Buscapé (Juazeiro-BA), Samba de Veio da Ilha do Massangano (Petrolina-PE), Reisado da Comunidade Quilombola do Lambedor (Lagoa Grande-PE) e Quadrilha Encanto Nordestino (Petrolina-PE)

20h – Palco Porta do Rio | Jamais serei o seu quintal – Tio Zé Bá (Petrolina-PE)

21h – Palco Porta do Rio | Viagem ao coração do Sol – Cordel do Fogo Encantado (Arcoverde-PE)

 

02/08 – Quinta

18h – Muro Galeria | Helianthus Annuus – Painel Visualidades da Aldeia

19h – Galeria de Artes | A Gravura de Lasar Segall: poesia da linha e do corte (São Paulo-SP) – Projeto Artesesc

21h – Teatro D. Amélia | Eu te avisei – Alice Caymmi (Rio de Janeiro-RJ)

 

03/08 – Sexta

19h – Jardim da Galeria | Gean Ramos (Jatobá-PE), Cosme Batista (Petrolina-PE), Eliane Potiguara (Rio de Janeiro-RJ) e Déba Viana Tacana (Rondônia/Bolívia) – Projeto Poesia no Jardim de Ana

21h – Teatro D. Amélia | Farinha com açúcar – Ou sobre a sustança de meninos e homens | Coletivo Negro (São Paulo-SP) – Projeto Palco Giratório

22h – Espaço Cubículo | Bailinho Simultâneo – Brena Gonçalves (Ilhéus-BA)

 

04/08 – Sábado

16h – Teatro D. Amélia | Estelita entre fadas e outros bichos – Trup Errante (Petrolina-PE)

21h – Teatro D. Amélia | Farinha com açúcar – Ou sobre a sustança de meninos e homens | Coletivo Negro (São Paulo-SP) – Projeto Palco Giratório

 

  1. Lambedor | Lagoa Grande-PE

17h – Eu Vim da Ilha – Cia de Dança do Sesc (Petrolina-PE)

18h – A Visita – Grupo de Teatro Arte-Em-Cena (Caruaru-PE)

19h – Romenildo e Banda (Lagoa Grande-PE)

20h – Reisado da Comunidade Quilombola do Lambedor (Lagoa Grande-PE)

 

05/08 – Domingo

14h – Sala de Teatro | Pensamento Giratório – Coletivo Negro (São Paulo-SP) e Cia Biruta (Petrolina-PE) – Projeto Palco Giratório

16h – Teatro D. Amélia – Vento Forte para Água e Sabão – Cia Fiandeiros de Teatro (Recife-PE)

20h – Teatro D. Amélia | A Visita – Grupo de Teatro Arte-Em-Cena (Caruaru-PE)

 

Ilha do Massangano | Petrolina-PE

17h – Raízes para o alto | Cia de Dança do Sesc (Petrolina-PE)

18h – Um batuque que ecoou | Eugênio Cruz, Camila Yasmine e Batuk-ajé (Petrolina-PE)

19h – Coco Miudinho da Xambá (Olinda-PE)

20h – Samba de Veio da Ilha do Massangano (Petrolina-PE)

 

06/08 – Segunda

16h | Tecendo ideias – Arte/Documento dos anos de chumbo – Tuca Siqueira (Recife-PE), Márcia Galvão (Petrolina-PE) e Thom Galiano (Petrolina-PE)

19h – Jardim da Galeria | Circuito de Autores: Daniel Galera (Porto Alegre-RS), Melanie Peter (Joinville-SC) e Andréa Karla Menezes (Petrolina-PE) | Projeto Arte da Palavra

20h – Teatro D. Amélia | Perfopalestra A Bárbara – Brisa Rodrigues (Rio de Janeiro/RJ) e Performance Medeacústica – Luciana Lyra (São Paulo-SP)

 

07/08 – Terça

09h – IF Sertão | Circuito de Autores: Daniel Galera (Porto Alegre-RS), Melanie Peter (Joinville-SC) e Andréa Karla Menezes (Petrolina-PE) | Projeto Arte da Palavra

16h – Sala de Teatro | Tecendo ideias – Por uma dramaturgia feminista – Luciana Lyra (São Paulo-SP)

19h – Sala de Dança | Solos sem idade – Curso de Dança da 3ª idade do Sesc (Petrolina-PE)

19h30 – Escada do Teatro | Procura-se um corpo – Ação nº03 – Núcleo de Teatro do Sesc (Petrolina-PE) e Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz (Porto Alegre-RS)

20h – Teatro D. Amélia | Exibição do Filme Amores de Chumbo com participação de Tuca Siqueira (Recife-PE) e Augusta Ferraz (Recife-PE)

 

08/08 – Quarta

14h – Orla Petrolina | Exposição: Ficções Cerâmicas – Políticas do Barro | Mostra Flutuante de Artes Visuais

16h – Sala de Teatro | Tecendo ideias – Narrativas do feminino no Vale – Vozes mulheres – Além das margens, Clã Virá (Juazeiro-BA/Petrolina-PE) e Núcleo de Estudo e Pesquisa em Literatura (Petrolina-PE)

19h – CEU das águas | Maria e Virgulino na hora anunciada – Coletivo Passarinho (Petrolina-PE)

20h | Teatro D. Amélia | Patética- A verdadeira história de Glauco Horowitz – Teatro Popular de Arte (Petrolina-PE)

 

09/08 – Quinta

09h – Orla Petrolina | Exposição: Ficções Cerâmicas – Políticas do Barro | Mostra Flutuante de Artes Visuais

16h – Sala de Teatro | Pensamento Giratório – Quatroloscinco – Teatro do Comum (Belo Horizonte-MG) e Coletivo Trippé (Juazeiro-BA/Petrolina-PE) | Projeto Palco Giratório

19h – CEU das águas | Os Campeões do Mundo – EREMCC (Petrolina-PE)

20h | Teatro D. Amélia | Luzir é negro! – Teatro de Fronteira (Recife-PE)

 

10/08 – Sexta

16h – Sala de Teatro | Tecendo ideias – Minhas contas minha cor – Marconi Bispo (Recife-PE), Antonio Carvalho (Juazeiro-BA) e Elson Rabelo (Petrolina-PE)

19h – CEU das águas | Estudo para epifania – Kleber Cândido (São Paulo-SP)

20h – Teatro D. Amélia | Fauna | Quatroloscinco – Teatro do Comum (Belo Horizonte-MG) | Projeto Palco Giratório

22h – E. C. Filhos de Zaze | Recital Ponto Poético – Cia Biruta (Petrolina-PE)

22h30 – E. C. Filhos de Zaze | Afoxé Filhos de Zaze (Juazeiro-BA) e Coco das Irmãs Lopes (Arcoverde-PE)

 

11/08 – Sábado (VIRARTE)

16h – Mercado Cultural

16h – Teatro Dona Amélia | Bonito – Projeto Bonito (Salvador-BA)

17h – Rua em frente ao Sesc | Chulos – Dual Cena Contemporânea (São Paulo-SP)

18h – Sala Ginásio | Opera D’água – Grupo Proscênio (Surubim-PE)

19h30 – Teatro D. Amélia | Você é o que lê – Gregório Duvivier (Rio de Janeiro-RJ), Maria Ribeiro (Rio de Janeiro-RJ) e Xico Sá (São Paulo-SP)

20h – Rua em frente ao Sesc | Projeto Dançando no Asfalto

21h – Palco | Coco das Irmãs Lopes (Arcoverde-PE)

22h – Teatro D. Amélia | Tudo Phone – Coletivo Trippé (Petrolina-PE/Juazeiro-BA)

23h – Palco | Larissa Luz (Salvador-BA)

24h – Cantina | Dancing Queen – Calupsyta Zabelê (São Paulo-SP)

02h – Palco | Andrezza Santos (Juazeiro-BA)

 

Oficinas de Iniciação

23/07 a 30/07

09h às 11h – APAE | Oficinas de Dança – Carol Andrade (Petrolina-PE)

 

25/07 a 31/07

09h às 11h – A. Mulheres Rendeiras| Oficinas de Dança – Laís Bione (Juazeiro-BA)

14h às 16h – Ilha do massangano| Oficinas de Dança – Mary Ane Nascimento (Juazeiro-BA)

17h às 19h – E. Filhos de Zaze | Oficinas de Dança – Rafael Sisant (Petrolina-PE)

17h às 19h – EREMCC | Oficinas de Teatro – Monique Paulino (Petrolina-PE)

 

28/07 a 29/07

13h às 18h – CETEP Lagoa Grande | Oficina de Teatro – Fernanda Luz (Petrolina-PE)

Oficinas de Capacitação

02/08 a 03/08

09h às 13h | Oficina Teatro: um olhar sobre o pequeno ator – Daniela Travassos (Recife-PE)

09h às 13h | Oficina de Serigrafia e encadernação artesanal – Vi Brasil e D Mingus (Recife-PE) – Projeto Vias da Arte

 

04/08 – Sábado

10h às 13h e 14h às 17h | Oficina O Espaço vazio e a Poesia corpórea – Coletivo Negro (São Paulo-SP) – Projeto Palco Giratório

 

04/08 a 05/08

09h às 13h | Oficina Mulheres indígenas sempre foram sagradas – Eliane Potiguara (Rio de Janeiro-RJ) – Projeto Poesia no Jardim de Ana

09h às 13h | Oficina Composição e produção musical – Vi Brasil e D Mingus (Recife-PE)

 

05/08 – Domingo

09h às 13h | Oficina O Caldeirão de Afrodite: Procedimentos da Mitologia em Arte na construção dramatúrgica – Luciana Lyra (São Paulo-SP)

 

06/08 a 10/08

09h às 13h | Oficina Leitores, livros e as histórias de cada um – Anna K. (Fortaleza-CE) – Projeto Arte da Palavra

 

07/08 a 08/08

09h às 13h | Oficina Caminhos e experiências de um longa-metragem – Tuca Siqueira (Recife-PE) – Projeto Cinesesc

09h às 13h | Oficina Escritas da Cena – Assis Benevuto e Marcos Coleta (Belo Horizonte-MG) – Projeto Palco Giratório

 

09/08 e 10/08

09h às 13h | Oficina Criação e composição coreográfica – Ivan Bernardelli (São Paulo-SP)

14h às 18h | Oficina Ateliê de Criação Drag – Calu Zabel (São Paulo-SP)

 

 

Por Fabiano Barros

 

Notícias

Jornalista e escritor Jota Menezes lançará “Bela Vista” primeiro título da “Trilogia Borboletas Azuis”

O evento será realizado na Biblioteca do Sesc Petrolina, na próxima quarta-feira, 11.

Foto: cartaz divulgação

O jornalista e escritor pernambucano Jota Menezes lançará o livro “Bela Vista”, primeiro título da “Trilogia Borboletas Azuis”, na próxima quarta-feira (11/07), às 18h30, na Biblioteca do SESC Petrolina.

Publicado pela Editora Vecchio, “Bela Vista” conta a história de Emily Parker e Joaquim Themba, que vive um amor de luta contra o poder opressor de Robert Parker. Na fazenda Bela Vista, na região do Vale do São Francisco, ambos conhecem as injustiças contra homens e mulheres escravizados na cidade de Passagem do Juazeiro.  O jovem casal é submetido à prova de fogo. Joaquim é torturado, exilado e obrigado a lutar em uma guerra que não é sua. Emily é obrigada a ir para a Europa. Separados por um oceano, ambos agarram-se na fé e celebram um pacto de vida, pois creem que têm uma missão sagrada a cumprir: lutar pela liberdade e dignidade dos cativos, roubadas pela elite agrária.

Jota Menezes é natural de Santa Maria da Boa Vista/PE e radicado em Petrolina/PE desde os sete anos de idade. É jornalista, radialista, professor de história, pós graduado em Ensino de Comunicação, mestre em educação, cultura e território semiáridos e escritor. É autor do livro “Televisão, poder e cidadania (Editora Chiado, 2013) e co-autor do livro Geraldo Azevedo – Um geral do Brasil (Editora SABEH, 2015). Atualmente é coordenador e jornalista responsável pela Revista Contexto (desde 2010) e membro da Comissão Permanente de Políticas Públicas da Secretaria Municipal de Educação – Prefeitura Municipal de Petrolina.

SERVIÇO:

O que? Lançamento do livro “Bela Vista” – Jota Menezes.

Quando? 11 de Julho de 2018.

Horário? 18h30.

Onde? Biblioteca do SESC Petrolina – Rua Pacífico da Luz, 618, Centro, Petrolina/PE.

Notícias

Poesia no Jardim de Ana traz “Vivência Poética Holística”

Sarau acontecerá nesta sexta-feira (6/7) no Jardim da Galeria de Artes Ana das Carrancas

Foto: Reprodução

O Sesc Petrolina realiza nesta sexta-feira (6/7), a partir das 19h, o projeto Poesia no Jardim de Ana, no Jardim da Galeria de Artes Ana das Carrancas. Nesta edição, o tema abordado será “Vivência Poética Holística”, baseada na integração entre ciência, filosofia, arte e tradição espiritual.

A programação, que é mensal e busca se aprofundar na poesia e sua relação com linguagens culturais, é gratuita e contará com a participação da poetisa Sida Pinheiro. Ela vai apresentar poemas que retratam o contexto holístico. A mediação e intervenção serão feitas por Agda Elen e Rafaela Lins. Os músicos Carol Guimarães e Ivan Greg apresentarão no sarau um repertório alinhado ao tema.

Sesc – O Serviço Social do Comércio (Sesc) foi criado em 1946. Em Pernambuco, iniciou suas atividades em 1947. Oferece para os funcionários do comércio de bens, serviços e turismo, bem como para o público geral, a preços módicos ou gratuitamente, atividades nas áreas de educação, saúde, cultura, recreação, esporte, turismo e assistência social. Atualmente, existem 19 unidades do Sesc do Litoral ao Sertão do estado, incluindo dois hotéis, em Garanhuns e Triunfo. Essas unidades dispõem de escolas, equipamentos culturais (como teatros e galerias de arte), restaurantes, academias, quadras poliesportivas, campos de futebol, entre outros espaços e projetos. Para conhecer cada unidade, os projetos ou acessar a programação do mês do Sesc em Pernambuco, basta acessar www.sescpe.org.br.

 

Serviço: Poesia no Jardim de Ana

Dia 6 de julho, às 19h

Local: Jardim da Galeria de Artes Ana das Carrancas (R. Pacífico da Luz, 618 – Centro)

Entrada gratuita

Informações: (87) 3866-7454