Notícias

Morre Genival Lacerda, ícone do forró

Cantor faleceu aos 89 anos vítima da covid-19

Foto: Reprodução Facebook

O forró perdeu, na madrugada de hoje (7), um de seus maiores ícones: o cantor e compositor Genival Lacerda, aos 89 anos, em decorrência da covid-19. A notícia foi divulgada por familiares nas redes socais. Lacerda estava internado na unidade de terapia intensiva do Hospital da Unimed, no Recife, desde o final de novembro.

Nascido em Campina Grande, no ano de 1931, cidade que é considerada a capital do forró na Paraíba, Lacerda foi autor de sucessos como Severina Xique Xique, De quem é esse jegue? e Radinho de Pilha, em meio aos cerca de 70 discos lançados por ele – o primeiro deles, gravado em 1955, quando já havia se mudado para Pernambuco.

Incentivado por seu concunhado, o músico Jackson do Pandeiro, Lacerda se mudou para o Rio de Janeiro em 1964, onde trabalhou em algumas casas de forró. O salto na carreira só veio em 1975, quando lançou a música Severina Xique-Xique – famosa pelo verso “ele tá de olho é na butique dela”, feita em parceria com João Gonçalves. O disco vendeu cerca de 800 mil cópias.

AVC e covid-19

Em maio, antes de ser contaminado pelo novo coronavírus, o músico já havia sofrido um acidente vascular cerebral (AVC).

Genival Lacerda vinha apresentando piora em seu quadro de saúde nos últimos dias, a ponto de a família usar as redes sociais para pedir que as pessoas doassem sangue para ajudá-lo.

https://agenciabrasil.ebc.com.br/

 

Leitura Crítica

Miguel explica o racismo escravagista da elite de Recife

“Talvez se esse animal [cachorro da patroa] tivesse caído do nono andar, muitas pessoas ficariam mais indignadas e ainda colocariam a culpa na doméstica.”

Miguel Otávio Santana da Silva voou do nono andar de um prédio de luxo no centro do Recife para um lugar reservado a anjos negros que saíram desse mundo pela omissão e descaso daqueles que deveriam protegê-los quando ainda estavam nesse mundo. O pequeno se encontrou com Ághatas e Joãos Pedros nesse canto. Se corpo foi de encontro ao mais amaldiçoado pedaço de chão da capital pernambucana.

Oficialmente, os dois edifícios de 41 andares se chamam Pier Maurício de Nassar e Pier Duarte, mas qualquer transeunte que passe pelas imediações do Cais de Santa Rita só se refere ao monstrengo de concreto como Torres Gêmeas. A construção do par de prédios se deu envolta a polêmicas urbanísticas e ambientais. O resultado é uma aberração arquitetônica no meio de umas das paisagens mais bonitas da cidade.

Projetado para ter como habitantes a alta classe recifense, o condomínio e seus moradores já foram destaque nos noticiários por diversos motivos. Seja por aqueles que jogaram dinheiro pelas suas janelas, tentando livrar o flagrante durante o uma operação da Polícia Federal, sejam as dezenas de trabalhadores chineses que se empilhavam dentro dos apartamentos de luxo.

A família que empregava a mãe de Miguel é um claro exemplo da aristocracia pernambucana desde que o estado era a capitania hereditária que dava mais lucro ao erário português. O marido é de uma família que domina a política dos municípios do Litoral Sul de Pernambuco, além de ter o nome envolvido em práticas ilegais, segundo a Carta Magna.

A elite local permanece com práticas escravocratas, como pôr em risco a vida da sua empregada obrigando-a a trabalhar mesmo em tempos de pandemia. Mirtes Renata Santana da Silva não teve direito a quarentena. Entre seus atributos no serviço estava passear com o cachorro da família. Talvez se esse animal tivesse caído do nono andar, muitas pessoas ficariam mais indignadas e ainda colocariam a culpa na doméstica.

Mas quem morreu foi um menino preto. Preto como as imagens que pipocaram nas redes sociais com a legenda de que vidas negras importam. Importam mesmo? Talvez até importem, mas menos do que fazer parte de uma tendência. No momento dizer-se antirracista é imprescindível, menos pela causa e mais pelo julgamento dos seus pares. “Como assim você não colocou #BlackLivesMatter nos seu Instagram?”

Se realmente a sua vontade é de se revoltar contra aqueles que menosprezam as vidas pretas, sugiro que se comece fazendo campanha contra Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares. O sujeito que mais envergonha os negros brasileiros. O racismo bate à porta todos os dias. Porta de Bancos, porta de elevadores. De Minneapolis ao Recife. Preto é a cor que está no centro do alvo, seja da polícia ou daqueles que se recusam a limpar a sua própria sujeira. Parte deles terá muito trabalho para tirar o sangue de suas mãos.

Gil Luiz Mendes é escritor e jornalista. Apresenta o podcast Baião de 2 na webrádio Central3.

Fonte: Correio da Cidadania 

Notícias

Quase 50 crianças são vítimas de abuso, exploração ou turismo sexual por dia

Campanha que será lançada esta semana tem como foco a proteção a crianças e adolescentes no Carnaval

combate-exploração-sexual1

Quase 50 crianças são vítimas de abuso, exploração ou turismo sexual por dia, segundo dados do Disque 100, da Secretaria Especial de Direitos Humanos, no Brasil. Para a gestora do projeto no Rio de Janeiro, Ana Almeida, os números são subestimados, já que contabilizam apenas as denúncias registradas.

Ela destaca que é necessário ampliar o banco de dados, incluindo fontes de informação como as delegacias, escolas, conselhos tutelares, hospitais e centro sociais. Ainda segundo ela, a petição visa basicamente a criação de políticas públicas de enfrentamento.

“Temos que entender que a criança e o adolescente, segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, são pessoas em desenvolvimento, que gozam de primazia e absoluta prioridade na elaboração e efetivação das políticas públicas. Nosso maior objetivo é apoiar o gestor público, subsidiá-lo no maior número de informações sobre o tema, para que ele possa pensar em uma política para sua cidade.”

Ana informou que este ano a campanha tem como foco as prefeituras de São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Olinda e Salvador, por terem muita mobilização popular no Carnaval, período em que aumenta a possibilidade de turismo sexual e a vulnerabilidade de crianças e adolescentes.

“É uma situação da própria festa, porque a cidade fica movimentada, recebe turistas de várias partes do mundo. Entendemos que essa é uma época de maior vulnerabilidade. Mas a questão da violência contra a criança é um fato que ocorre diuturnamente, infelizmente”.

A instituição Aldeias Infantis SOS ressalta que a violência sexual compromete saúde, autoestima, aprendizado e vida social das crianças, além de ter potencial para torná-las adultos que reproduzem a violência, criando um ciclo vicioso.

Nesta terça-feira (21), a Fundação para a Infância e Adolescência (FIA), órgão ligado à Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Social do Rio de Janeiro, lança a campanha de carnaval do programa Respeitar, proteger, garantir – Todos juntos pelos direitos das crianças e dos adolescentes.

A mobilização faz parte das ações do Comitê de Proteção Integral de Crianças e Adolescentes nos Megaeventos, que tem a participação dos governos federal, do estado e da prefeitura do Rio de Janeiro, com o objetivo de sensibilizar a sociedade sobre a importância de denunciar violações aos direitos de crianças e adolescentes.

A Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos informa que já vem atuando na prevenção às violações dos direitos das crianças nos ensaios técnicos das escolas de sambas, blocos de rua e nos terminais de entrada da cidade. Segundo o órgão, o trabalho que será desenvolvido dentro da campanha Respeitar, proteger, garantir, será detalhado na semana que vem.

Dentro das ações de proteção a crianças e adolescentes, a fundação lança, na quarta-feira (22), uma campanha para evitar o desaparecimento de crianças durante o carnaval. Serão distribuídos, no período, 60 mil folhetos e pulseiras de identificação bilíngues, em locais de muita movimentação de pessoas. Dados do órgão mostram que, atualmente estão desaparecidos no estado 507 crianças e jovens entre 0 e 21 anos, sendo 60 na capital. O registro de desaparecimento deve ser feito imediatamente, em qualquer delegacia de polícia.

Correio da Bahia

Notícias

Acontece em Recife 13º Fórum de Educação Popular

Empoderamento feminino na construção de uma sociedade igualitária é pauta do evento.

img-2204Entre os dias 19 a 23 de julho, a Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, em Recife, está sediando o 13º Fórum de Educação Popular – Frepop, com o tema “Educação Popular – Democracia e os desafios das lutas sociais na construção da sociedade que queremos”. Paralelamente está acontecendo a 10ª edição do Frepop internacional.

O evento é um espaço de construção coletiva, que busca refletir o cenário sociopolítico atual, permite a troca de experiências entre os frepopianos e as frepopianas, além de dialogar a respeito da construção de um projeto democrático popular e a importância e fortalecimento das lutas sociais nessa caminhada. Sua programação contará com rodas de conversas, oficinas, apresentações culturais, frepopinho voltado para as crianças e feira de artesanatos e produtos oriundos da agricultura familiar.

Uma dessas rodas de conversa foi “Mulheres construindo uma sociedade mais justa”, que aconteceu na manhã dessa quarta-feira (20). O espaço abordou o trabalho desenvolvido pelo Movimento da Mulher Trabalhadora Rural Nordeste – MMTR-NE, que luta pela autonomia das mulheres na construção de uma sociedade igualitária, a partir da educação popular. O momento foi facilitado por Divaneide Pinheiro Lins de Souza, coordenadora estadual da MMTR de Sergipe.

Na tentativa de construir essa nova sociedade, o MMTR- NE realiza diversas atividades que visam aumentar a participação das mulheres na produção agroecológica, a geração de trabalho e renda, o enfrentamento da violência sofrida por mulheres, debate de gênero, especialmente com a realização de Escolas Feministas, com foco nas mulheres do campo. Divaneide pontua como conquista do movimento a contribuição do MMTR na construção da lei Maria da Penha, ajudar as mulheres do campo a ter acesso a políticas públicas, a autonomia financeira através da economia solidária e principalmente a promoção da informação que resulta do empoderamento dessas mulheres.

Durante a conversa as mulheres presentes na roda, falaram das suas experiências nos espaços de luta, das discriminações sofridas pela sociedade patriarcal, pontuando a necessidade das mulheres ocuparem os diversos espaços de poderes. Para a participante Margarida Alves, o feminismo é elemento fundamental na transformação da sociedade. “O feminismo veio pra dar poder a mulher, o poder do seu trabalho, o seu poder político… o feminismo é o educador que busca o direito pra todos”, pontua Margarida.

Durante toda a programação do Frepop vão acontecer outros espaços de debate a respeito do empoderamento da mulher e suas contribuições no desenvolvimento de um mundo mais digno para todos os seres humanos.

Texto e fotos: Comunicação Irpaa

 

Notícias

Após muita pressão Governador Paulo Câmara recebe grupo “Beatriz clama por Justiça”

“Nós não viemos aqui falar com o representante do representante”, disseram os manifestantes.

13817256_1015872338508878_1530014204_nMais de 40 pessoas de Petrolina-PE e Juazeiro-BA, integrantes do Movimento “Somos Todos Beatriz” chegaram  à cidade do Recife, capital pernambucana, para se manifestar em frente ao Palácio Campo das Princesas, sede do governo estadual, e exigir do governador Paulo Câmara, maior empenho e celeridade para desvendar o  brutal assassinato da menina Beatriz, ocorrido nas dependências do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora (Petrolina), em dezembro de 2015.

13714380_1015872361842209_2079835201_n“Quem matou Beatriz?”, “Não vamos nos calar!”,  essas e outras frases integraram faixas, acompanhadas por apitaço e  gritos dos manifestantes que clamavam  por justiça em torno desse bárbaro crime que,   após 7 meses,  continua sem elucidação. Os manifestantes interditaram a avenida Guararapes e exigiram a presença do governador na recepção aos pais da jovem assassinada, onde na oportunidade entregariam um abaixo-assinado com aproximadamente 20 mil assinaturas.

13823305_1015872291842216_256098247_nNas primeiras horas da manifestação um bloqueio formado por seguranças impedia o acesso dos manifestantes ao Palácio do governo estadual.  Integrantes do grupo “Beatriz clama por Justiça” foram recebidos por dois secretários do governador, motivando severas críticas: “se nós já falamos com ele [governador] pessoalmente e de nada adiantou, o que iria adiantar falar com secretários. Nós não viemos aqui falar com o representante do representante não, nós queremos falar é com o representante do povo, eleito pelo povo. Porque quando ele quer e tem interesse por alguma coisa ele vai atrás do povo pra falar. Por que ele não pode nos receber? Estamos aqui, senhor Paulo Câmara, venha nos receber. É apenas um abaixo-assinado pedindo agilidade e empenho do governo de Pernambuco”, disparou Deni Líria, integrante do grupo.13709455_1015872295175549_1733112926_o

Após muita pressão, o governador Paulo Câmara recebeu os pais de Beatriz e quatro integrantes do manifesto. Depois de  quase duas horas de conversas ficou acordado sobre a possível transferência de acompanhamento do caso para o governo da Bahia.(Foto: karla).

Notícias

Ato marca posse do novo superintendente do Incra em Recife

O ato contará com a presença de movimentos sociais de luta pela terra.

edilazioO Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) Regional Recife (SR-03) realiza, nesta segunda-feira (09), às 10h, um Ato para marcar a posse do seu novo superintendente, Edilázio Wanderley Filho, e para apresentar uma Agenda Positiva de Trabalho. Apesar de a nomeação ter ocorrido na última terça-feira (03), e de o gestor já ter realizado uma série de atividades na sede do Instituto, a solenidade será um momento importante para que os Movimentos Sociais de Luta pela Terra possam conhecer a sua proposta de atuação para os próximos meses, na perspectiva de fortalecer o processo de reforma agrária no estado.

O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) Regional Recife (SR-03) realiza, nesta segunda-feira (09), às 10h, um Ato para marcar a posse do seu novo superintendente, Edilázio Wanderley Filho, e para apresentar uma Agenda Positiva de Trabalho. Apesar de a nomeação ter ocorrido na última terça-feira (03), e de o gestor já ter realizado uma série de atividades na sede do Instituto, a solenidade será um momento importante para que os Movimentos Sociais de Luta pela Terra possam conhecer a sua proposta de atuação para os próximos meses, na perspectiva de fortalecer o processo de reforma agrária no estado.

Natural de Águas Belas, o novo gestor é advogado, com militância junto aos Movimentos Sociais e Sindical.  “O nosso principal objetivo é a desconcentração fundiária, a qualificação das iniciativas do Instituto que visam ao desenvolvimento sustentável dos assentamentos e à promoção da igualdade social, assegurando uma maior qualidade de vida para as famílias assentadas. Para isso é fundamental uma maior interação entre as políticas públicas e as necessidades dessas famílias”, destaca.

Já confirmaram presença no ato representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário, da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetape), do MST e da CUT, além de lideranças políticas do Legislativo e do Executivo de vários cantos do estado. Trabalhadores de municípios atendidos pelo Incra SR-03 também devem participar.

“O nosso principal objetivo é a desconcentração fundiária, a qualificação das iniciativas do Instituto que visam ao desenvolvimento sustentável dos assentamentos e à promoção da igualdade social, assegurando uma maior qualidade de vida para as famílias assentadas. Para isso é fundamental uma maior interação entre as políticas públicas e as necessidades dessas famílias”, destaca.

Já confirmaram presença no ato representantes do Ministério do Desenvolvimento Agrário, da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetape), do MST e da CUT, além de lideranças políticas do Legislativo e do Executivo de vários cantos do estado. Trabalhadores de municípios atendidos pelo Incra SR-03 também devem participar. (Fonte: Ascom/Foto: Divulgação).

Notícias

Educadores de Pernambuco decidem em assembleia realizarem ato em defesa dos direitos da categoria

“Só tem uma coisa que os governantes entendem que é a pressão”, enfatizou o presidente do Sintepe, Fernando Melo

Educadores de Pernambuco em Assembleia no Teatro Boa Vista
Educadores de Pernambuco em Assembleia no Teatro Boa Vista

Os trabalhadores em educação de Pernambuco estiveram reunidos em assembleia na tarde de quinta-feira, 20, no Teatro Boa Vista, oportunidade em que discutiram diversos assuntos de interesse da categoria.

Na atividade, foi deliberado pela categoria que no dia 26 de abril se fará uma reunião de planejamento para um grande ato, com data ainda a ser definida.

Foi discutido a posição do sindicato frente a situação política do país; a mobilização que deve ser feita em torno do SASSEPE, tendo em vista à carência do sistema acumulada há anos e a ação do sindicato contra o Estado para que no próximo concurso público só fossem nomeados os aprovados com licenciatura. O Estado contestou a ação com argumentos de que foi feito assim nos concursos anteriores.

Segundo o sindicato o Estado nomeou os aprovados dentro das funções e exigiu que essas pessoas terão três anos para fazer a parte pedagógica.

O SINTEPE vai realizar junto ao Diretório de Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), com a Comissão de Educação da Alepe e com o Fórum Estadual de Educação uma encontro para debater o que está sendo feito pelo Estado.

Na oportunidade o presidente do SINTEPE, Fernando Melo destacou a união da categoria neste momento delicado que vive o país. Melo destacou a última greve que contou com o apoio da sociedade, dos estudantes e da categoria para combater os representantes do governo e apontou que essa pressão, será determinante para os futuros desafios.

Fernando Melo - Presidente do Sintepe
Fernando Melo – Presidente do Sintepe

“Estamos preocupados em juntar forças porque o que está em jogo é o nosso futuro, é um cumprir de uma lei, é o respeito em relação ao Plano de Cargos e Carreira (PCC) é o respeito a uma categoria e as conquistas”, garantiu Melo.

O sindicalista apontou para a necessidade de se conseguir trazer para perto setores diversos da sociedade, partindo da ideia de que educação é instrumento fundamental para o debate do desenvolvimento e não apenas proposta de campanha eleitoral. (Informações: Sintepe/Foto:Agência JC Mazella).

Notícias

Sintepe promove Assembleia e cobra Piso Salarial do Governo

A categoria aprovou ainda a data da próxima Assembleia Geral que será realizada no dia 29 de março.

assembleia17032016O Sintepe realizou, quinta-feira (17), uma Assembleia Geral. A atividade marcou o último dia da Greve Nacional coordenada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

Realizada em frente à Assembleia Legislativa Estadual de Pernambuco (Alepe), no Centro do Recife, a iniciativa teve como objetivo pressionar o Governo do Estado para que este cumpra a Lei do Piso e reajuste os salários dos trabalhadores em Educação em 11,36%.

A categoria fechou a Rua da Aurora na imediação da Alepe. A Assembleia foi iniciada com informes sobre a participação do Sintepe no ato de Brasília contra a proposta de Reforma Previdenciária lançada pelo Governo Federal. A manifestação está marcada para o dia 31 de março. Em Pernambuco, o Sintepe participará da mobilização em favor de democracia e contra o Golpe. Os manifestantes se concentrarão na Praça do Derby, às 15h, e seguirão em caminhada pelas ruas do Centro do Recife.

assembleia17032016.5Para Fernando Melo, a participação da classe trabalhadora na manifestação em favor da democracia é fundamental. “Em um momento como esse ou a classe trabalhadora se junte e se fortalece, ou restará apenas lamentar a perda de direitos lá na frente”, alertou. Paulo Rocha, da Secretaria de Filiação e Patrimônio do Sintepe, lembrou que existe o que ele chamou de ‘pacotaço’ a ser aprovado no Congresso, conjunto de projetos que retira dos trabalhadores seus direitos, como aumento da jornada de trabalho, congelamento do plano de cargos e carreiras e dos salários dos servidores públicos.

A categoria aprovou ainda a data da próxima Assembleia Geral que será realizada no dia 29 de março, às 9h, no Teatro Boa Vista, no Recife. Após os informes e aprovação da moção, a categoria seguiu caminhando para o Palácio do Governo para entregar a Pauta de Reivindicações da Campanha Salarial Educacional 2016. O documento reúne as exigências da categoria.

Adesão

A Assembleia contou com a adesão da deputada estadual Teresa leitão 9PT e do deputado Edilson Silva (PSOL) e dos sindicatos filiados à CNTE, como Sindicato dos Servidores Municipais de São José do Egito, Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Município do Jaboatão dos Guararapes (Sinproja), Sindicatos dos Servidores Públicos de Palmares, Central Única dos Trabalhadores (CUT), União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas (Umes), Sindicato dos Professores do Cabo de Santo Agostinho (Sinpec), União nos Negros pela Igualdade (Unegro), Sindicato dos Professores da Rede Municipal de Ensino do Recife (Simpere) e Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Bento do Una (Sispum).

Feminicídio

Como forma de prestar uma homenagem, o Sintepe fez um minuto de silêncio pelo assassinato da companheira Rosimere Alves, coordenadora do Núcleo Municipal do Sintepe de Santa Cruz do Capibaribe. Em referência a esse assassinato, a Secretaria de Assuntos para Gênero do Sintepe submeteu à categoria uma moção – que foi aprovada – contra o feminicídio e violência contra a mulher.  A professora Rosimere Alves foi assassinada pelo seu companheiro no último dia 11. (Fonte/Foto:SINTEPE).

Notícias

Naná Vasconcelos morre aos 71 anos

O músico tratava um câncer de pulmão desde 2015, quando iniciou o tratamento de quimioterapia e radioterapia.

Credito: Rafael Martins/ Esp. DP- VIVER- Nana Vasconcelos, musico instrumentista.
Credito: Rafael Martins/ Esp. DP- VIVER- Nana Vasconcelos, musico instrumentista.

O percussionista pernambucano Naná Vasconcelos não resistiu a complicações de um câncer de pulmão e faleceu, nesta quarta-feira (9), às 7h39, aos 71 anos. O músico tratava a doença desde 2015, quando chegou a se submeter a sessões de quimioterapia. Na época, Naná enfrentou a situação com bom humor, e gravou vídeo com poesia. O velório terá início às 14h, na Assembleia Legislativa do Estado, na Boa Vista. O sepultamento foi confirmado para o cemitério de Santo Amaro, às 10h desta quinta-feira (10).

Emicida, China, Gil e as homenagens a Naná Vasconcelos

O percussionista premiado estava internado desde a semana passada, quando teria passado mal após show em Salvador (BA). O quadro do músico piorou no último sábado. Em dezembro de 2015, Naná recebeu título de doutor honoris causa pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Autodidata, nunca frequentou escola de música, nem se graduou, mas logo se firmou como um dos mais respeitados instrumentistas do país, tendo colaborado com nomes como Egberto Gismonti, Pat Metheny, além de ter produzido o primeiro álbum do Cordel do Fogo Encantado.

Detentor de oito Grammys, o percussionista costumava quebrar protocolos e substituía, sempre que permitido nas cerimônias, os discursos por apresentações musicais.

O percussionista recebeu o título de doutor honoris causa em dezembro do ano passado. Foto: Nando Chiappetta/DP/DA Press
O percussionista recebeu o título de doutor honoris causa em dezembro do ano passado. Foto: Nando Chiappetta/DP/DA Press

Naná, que aos 12 anos tocava profissionalmente em bares e clubes noturnos (onde lhe exigiam até autorização judicial), ao lado do pai, aprendeu a tocar sozinho, usando os penicos e as panelas de casa, ainda na infância. Não frequentou aulas de música, não ingressou na faculdade. Em entrevista concedida aoViver, ele afirmou: “Quando você aprende teoria musical por livros, precisa sempre consultar os textos. Quando você aprende com o corpo, é como andar de bicicleta. Seu corpo se lembra.”

Em 2015, ele passou quase um mês internado para tratar do câncer no pulmão esquerdo, no mesmo centro médico onde veio a falecer. Um de seus últimos projetos foi o Café no bule, em parceria com Zeca Baleiro e Paulo Lepetit. Compostas a distância, por telefone e e-mail, e em encontros em São Paulo, as 10 faixas mesclam referências de vários ritmos, como jazz, afoxé, samba, maracatu e jazz. Entre elas, três vinhetas, espécie de “gole d’água ou de vinho”, ideia de Naná, que gostava de brincar com construções onomatopeicas.

O pernambucano não esteve nos primeiros shows do disco, em Varginha, interior de Minas Gerais, no início do mês. Foi representado pela gravação realizada em estúdio e homenageado com música composta pelos outros dois.

Após receber alta, Naná começou a preparar o retorno aos palcos, que ocorreu em setembro, em Maceió. Neste ano, ele comandou a abertura do carnaval do Recife, coisa que fazia há mais de 15 anos. No palco do Marco Zero, recebeu Lenine e a cantora caboverdense Sara Tavares como convidados, após comandar cortejo de maracatus e caboclinhos pelas ruas do Bairro do Recife.

A inclusão dos caboclinhos na cerimônia era projeto de Naná, a fim de dar maior visibilidade ao grupo folclórico, que ele considerava esquecido pelos pernambucanos. O percussionista inovou, ainda, ao se apresentar no polo Rec-Beat, no Cais da Alfândega, com programação mais alternativa.

Naná deixa duas filhas, Jasmim Azul e Luz Morena. Em entrevista ao Viver, em dezembro passado, chegou a declarar: “Minha maneira de pensar a percussão vai continuar viva depois de mim.”
O governador Paulo Câmara decretou luto oficial de três dias no estado. “Pernambuco acordou triste. O silêncio causado pelo desaparecimento de Naná Vasconcelos em nada combina com a força da sua música, dos ritmos brasileiros que ele, como poucos, conseguiu levar a todos os continentes. Naná era um gênio, um autodidata que com sua percussão inventiva e contagiante conquistou as ruas, os teatros, as academias. Meus sentimentos e a minha solidariedade para com os seus familiares”, diz o documento assinado pelo político.

O prefeito do Recife, Geraldo Julio, também lamentou o falecimento do mestre Naná Vasconcelos, homenageado do Carnaval do Recife 2013 e lembrou que, por 15 anos, o percussionista fez a abertura oficial da folia do Recife.

Repercussão

Nas redes sociais, amigos e artistas de Naná Vasconcelos prestaram as últimas homenagens, incluindo o rapper Emicida, que colaborou com Naná na trilha da animação O menino e o mundo, e Gilberto Gil, que publicou uma foto antiga dos dois juntos.

“Descanse em paz grande Naná Vasconcelos. Obrigado por compartilhar seus sons conosco! Dia triste para a música”, escreveu Emicida no Facebook.

http://www.diariodepernambuco.com.br

Notícias

Caso Beatriz: “Toda a imprensa se representa aqui, na cidade de Recife.”, declara Antônio Barros

Antônio afirmou ainda que “O objetivo aqui é divulgar para o maior número de emissoras possível essa informação, porque a polícia civil considera estratégica para a elucidação do caso.”.

1880003-9431-atm14-467x350Desde que a  Polícia civil, responsável pelas investigações do assassinato da garota Beatriz Angélica, informou que iria divulgar o retrato falado do possível assassino da criança, no prédio Operacional da Polícia Civil em Recife, um questionamento surgiu.

A população questionou o motivo desse retrato ser divulgado na capital pernambucana,a 721km de distancia de onde o crime ocorreu.

O Chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Antônio Barros, declarou durante coletiva concedida a imprensa de Recife-PE, na manhã desta segunda-feira (22), que a capital pernambucana foi escolhida para a divulgação do retrato falado, por concentrar a mídia do estado, o que ocasiona uma maior amplitude na divulgação do suspeito. ” Toda a imprensa se representa aqui, na cidade de Recife.”

Antônio afirmou ainda que “O objetivo aqui é divulgar para o maior número de emissoras possível essa informação, porque a polícia civil considera estratégica para a elucidação do caso.”.

Ainda de acordo com o chefe da polícia civil de Pernambuco “O delegado Marceone vai está voltando para Petrolina e a imprensa local, também vai se sentir a vontade para tirar qualquer dúvida, não dá investigação, que infelizmente por questão de estratégias a gente não pode passar detalhes da investigação. Mas outras informações que foram ditas aqui, podem ser divulgadas em Petrolina.”.

Entenda o Caso Beatriz

Beatriz Angélica tinha 7 anos quando foi brutalmente assassinada no  dia 10 dezembro de 2015. A menina foi morta a facadas durante uma festa de formatura de sua irmã, dentro do Colégio Celsiano Maria Auxiliadora em Petrolina-PE, onde ela também estudava e seu pai, Sandro Romildo era professor.

Após mais de dois meses, as investigações do crime ainda não obtiveram resultados conclusivos. No início,a delegada Sara Machado estava a frente dos trabalhos investigativos, mas no dia 21 de dezembro, o delegado seccional Marceone Ferreira Jacinto assumiu o caso.

Ao assumir as investigações, Marceone declarou que a inexistência de provas testemunhais dificultavam os trabalhos. Até aquele dia, 59 testemunhas tinham sido ouvidas e 42 perícias  realizadas, mas ainda não eram suficientes para a conclusão do caso.

O Chefe da Polícia Civil de Pernambuco, Antônio Barros, esteve em Petrolina para acompanhar o caso de perto e declarou que existe uma força tarefa para a elucidação do crime e que há uma determinação do Secretário de Defesa Social, Alessandro Carvalho, para que todos os recursos necessários para a investigação do caso sejam ofertados para a equipe, para que a se tenha um resultado. “Além de uma questão profissional, é uma questão de honra para os policiais. Os recursos que estão sendo empregados são suficientes para solucionar crimes difíceis como esse”, disse.

O Secretário Executivo de Defesa Social, Rodrigo Bastos, declarou que a capital do estado está mandando reforços para a investigação. “A equipe de Petrolina tem recebido nosso apoio de Recife, especialmente na parte de polícia cientifica, na parte de perícia. Estamos com reforço de equipe aqui.”.

O prefeito de Juazeiro-BA, cidade onde a menina morava e sua família reside até hoje,enviou um pedido ao Ministério da Justiça pra que a Polícia Federal participe das investigações. O Ministério confirmou o recebimento e informou que o pedido será colocado na pauta de agendamento.

Durante esses dois meses a população do Vale do São Francisco, criou o movimento “Somos todos Beatriz-Queremos Justiça” e já foram as ruas por quatro vezes. Além de se manifestarem através de publicações nas redes sociais.

A população pode denunciar anonimamente qualquer tipo de informação sobre o crime, através do disque denúncia que está com três canais (Telefone, Internet e WhatsApp), para receber qualquer informação que possa ajudar nas investigações e principalmente na elucidação do crime.O denunciante pode passar informações ligando para o número (81) 3719-4545, ou pelo site do disque denúncia de Pernambuco, ou ainda pelo aplicativo de mensagem, WhatsApp (81) 9-9119-1530.

O disque denúncia de Pernambuco, está oferecendo a recompensa de R$ 1o mil, para quem tiver informações sobre o/a responsável pelo crime.

 Hoje (22) após mais de 70 dias do crime e de muita pressão da sociedade, a Polícia Civil de Pernambuco divulgou em Recife-PE o retrato falado do suspeito do crime.