Notícias

Câmara dos EUA abre processo de impeachment contra Donald Trump

Presidente do órgão, a democrata Nancy Pelosi anunciou abertura do inquérito e disse que “ninguém está acima da lei”

Presidente dos Estados Unidos da América é acusado de tentar interferir nas eleições presidenciais de 2020 / Foto: Flickr/Gage Skidmore

A presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, a democrata Nancy Pelosi, anunciou nesta terça-feira (24/09) a abertura de um processo de impeachment contra o presidente Donald Trump.

O mandatário norte-americano é acusado de ter pressionado o presidente ucraniano, Vladimir Zelensky, durante um telefonema em 25 de julho, a investigar Hunter Biden, filho do ex-vice-presidente Joe Biden, que integrou o conselho de uma empresa de gás ucraniana.

A ação de Trump é vista como uma tentativa de interferir nas eleições presidenciais de 2020, já que Joe Biden é tido como o principal nome a concorrer pelo Partido Democrata.

Segundo Pelosi, “as ações da presidência de Trump revelaram o fato desonroso da traição do presidente por seu juramento, traição à nossa segurança nacional e traição à integridade de nossas eleições”.

“Portanto, hoje estou anunciando que a Câmara dos Deputados está avançando com um inquérito oficial de impeachment”, afirmou Pelosi.

A presidente da Câmara ainda destacou que a atitude de Trump “é uma quebra da Constituição [norte-]americana”. “O presidente precisa ser responsabilizado. Ninguém está acima da lei”, disse.

 

 

https://www.brasildefato.com.br

Notícias

Carlos Bolsonaro diz que Brasil não terá transformação por vias democráticas

A postagem foi alvo de críticas de políticos e da OAB, que viram na afirmação do vereador uma ofensa ao sistema democrático brasileiro

O vereador da cidade do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, se envolveu em mais uma polêmica em suas redes sociais. Dessa vez, o pesselista afirmou que “por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá na velocidade que almejamos”.

A postagem, feita em seu Twitter na noite desta segunda-feira 9, defendia o governo de Jair Bolsonaro que, segundo Carlos, vem desfazendo absurdos feitos em gestões anteriores. “Só vejo todo dia a roda girando em torno do próprio eixo e os que sempre nos dominaram continuam nos dominando de jeitos diferentes!”, afirmou.

A postagem de Carlos foi alvo de críticas de políticos e da OAB, que viram na afirmação do vereador uma ofensa ao sistema democrático brasileiro. Mais tarde, o vereador postou sobre a polêmica que sua afirmação gerou: “Agora virei ditador? Pqp!! Boa noite a todos!”

 

 

Jornalismo crítico e transparente. Notícias sobre política, economia e sociedade com viés progressista

Notícias

Membros do MPF apontam retrocesso de Bolsonaro por ignorar lista tríplice

Associação critica alinhamento ideológico de Aras com Bolsonaro. Mais votado da lista tríplice diz que situação é ‘melancólica’

FOTO: ROBERTO JAYME/ASCOM/TSE

Integrantes do Ministério Público Federal se manifestaram acerca da escolha de Jair Bolsonaro para o novo procurador-geral da República, que não considerou os nomes apontados na lista tríplice tradicionalmente feita pela instituição.

Em nota, a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) afirmou que recebeu a notícia com “contrariedade” e interpreta a escolha de Augusto Aras como um “retrocesso institucional”.

“O indicado não foi submetido a debates públicos, não apresentou propostas à vista da sociedade e da própria carreira. Não se sabe o que conversou em diálogos absolutamente reservados, desenvolvidos à margem da opinião pública. Não possui, ademais, qualquer liderança para comandar uma instituição com o peso e a importância do MPF. Sua indicação é, conforme expresso pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, uma escolha pessoal, decorrente de posição de afinidade de pensamento.”, escreveu a ANPR em declaração.

Há 16 anos, a escolha do novo PGR passava pela chamada lista tríplice, que continha três nomes mais votados entre todos os colegiados e que, embora não esteja na Constituição e não seja obrigatória ao presidente, foi o parâmetro de escolha de Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer.

Mario Bonsaglia, sub-procurador geral e o mais votado da lista de 2019, disse em uma rede social que o MPF é o único entre os ministérios públicos a não contar, constitucionalmente, com a garantia de votação dentro da lista tríplice e que, portanto, a “tradição” seria uma forma de alcançar esse balanço. “Dia melancólico para o MPF”, afirmou.

Integrantes do governo defenderam a escolha de Bolsonaro. O ministro Sérgio Moro foi um dos que endossaram, nas redes sociais, o nome de Augusto Aras como alguém que “se alinha ao governo atual”, segundo texto replicado.

Um procurador-geral da República é o responsável por designar as forças-tarefas em operações do MPF no Brasil, apresenta denúncias criminais contra políticos de foro privilegiado, incluindo ministros e o presidente da República. O PGR também participa dos julgamentos do Supremo Tribunal Federal, que devem reservar, para o segundo semestre, pautas polêmicas como a prisão em 2ª instância e o recurso dos advogados do ex-presidente Lula que trata da alegada parcialidade do ex-juiz da Lava Jato no caso.

 

 

Jornalismo crítico e transparente. Notícias sobre política, economia e sociedade com viés progressista

Notícias

Maioria da população não confia em Bolsonaro, aponta Ibope

51% dos entrevistados não confiam em Bolsonaro e não aprovam sua maneira de governar

EM TWEET

Mais da metade da população brasileira (51%) não confia no presidente Jair Bolsonaro. O dado é um dos revelados pela Pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira (27). Encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a pesquisa ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios no período de 20 a 23 de junho.

A pesquisa foi feita entre os dias 20 e 23 de junho e ouviu 2 mil pessoas em 126 municípios. O nível de confiança da pesquisa é de 95%, considerando a margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Confia: 46%

Não confia: 51%

Não sabe/não respondeu: 3%

Rejeição ao governo Bolsonaro cresce 5 pontos

Outro ponto levantado pela pesquisa é que a rejeição ao governo Bolsonaro cresceu 5 pontos em apenas dois meses. O levantamento mostra que para 32% da população a atuação do presidente é ruim/péssima, ante a 27% divulgada na pesquisa de abril.

Já o percentual de pessoas que avaliam o governo ótimo/bom caiu de 35% em abril para 32%. E quem considera o governo regular subiu de 31% para 32%.

Ótimo/bom: 32%;

Regular: 32%;

Ruim/péssimo: 32%;

Não sabe/não respondeu: 3%.

Maioria desaprova maneira de governar

Outro ponto revelado pela pesquisa é que a maioria da população brasileira desaprova a maneira que Bolsonaro vem governando o País. 48% dos brasileiros desaprovam contra 46 que estão de acordo com as atitudes do presidente.

 

 

www.cartacapital.com.br

 

Notícias

Coaf mostra depósito de R$ 100 mil em outubro na conta de suspeito de matar Marielle

PM reformado Ronnie Lessa, preso por assassinato da vereadora, teve bloqueio de bens declarado

Élcio Queiroz (esq.) e Ronnie Lessa (dir.) são principais suspeitos de executarem o crime. Foto: Reprodução.

O policial reformado Ronnie Lessa, de acordo com um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), recebeu R$ 100 mil em dinheiro, no dia 9 de outubro de 2018, em um depósito de boca de caixa, sete meses após o crime que vitimou a vereadora carioca Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes, em 14 de março de 2018, segundo divulgou na manhã desta sexta-feira (15) reportagem do G1.

O relatório faz parte de um pedido de bloqueio dos bens — para garantir a indenização das famílias das vítimas — de Lessa e do ex-PM Élcio Queiroz. Ambos foram presos nesta terça-feira (12) e são apontados pelas investigações como principais suspeitos de executarem o crime.

Da parte de Lessa, que morava em uma mansão no condomínio Vivendas da Barra, na zona oeste do Rio de Janeiro, próximo ao presidente Jair Bolsonaro, serão bloqueados: uma lancha em Angra dos Reis registrada em nome de um “laranja”, a casa e um carro de R$ 150 mil. Para o Mìnistério Público, os bens são incompatíveis com a renda de um policial militar reformado.

Nesta sexta-feira, Élcio Queiróz e Ronnie Lessa irão depor sobre o crime. Ambos negam o crime. Eles estão presos em flagrante por posse ilegal de arma em suas residências. Além disso, na casa de um amigo de Lessa, foram encontrados 117 fuzis desmontados.

 

Via Brasil de Fato

Notícias

Arma com inscrição dos Fuzileiros Navais dos EUA é encontrada no arsenal da milícia

Apreensão foi feita pela Polícia Civil como desdobramento de investigações sobre assassinato da vereadora do PSOL

Na foto do material apreendido, consta um componente de um fuzil M27 com inscrição dos Fuzileiros Navais dos EUA. Foto: Reprodução.

A Divisão de Homicídios (DH) da Polícia Civil do Rio de Janeiro apreendeu 117 armas na residência de um amigo do policial militar Ronnie Lessa, suspeito de ter executado a vereadora Marielle Franco (PSOL) e seu motorista, Anderson Gomes, há um ano. Em uma foto divulgada do material apreendido, consta um componente de um fuzil M27 com inscrição dos Fuzileiros Navais dos EUA [USMC, em inglês].

Armamento apreendido durante as investigações. Foto: Reprodução.

Mais de cem fuzis do modelo M-16 foram encontrados na casa, localizada no Méier, zona norte do Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Civil, um endereço anotado ligado a Lessa também foi encontrado na casa.

O M27 é produzido pela Heckler & Koch, empresa de armas alemã que também tem fábricas nos EUA, na França e no Reino Unido. O modelo se tornou o fuzil padrão dos Fuzileiros Navais dos EUA em 2018.

Foto: Reprodução.

O dono da casa, Alexandre Mota de Souza, confirmou aos investigadores que Lessa é seu amigo de infância e pediu que ele guardasse as caixas sem abri-las.

Acompanhe no Brasil de Fato os desdobramentos da investigação do crime, que completa um ano no próximo dia 14.

 

Via Brasil de Fato

Notícias

Ainda não responderam o mais importante: quem mandou matar Marielle, enfatiza viúva

Para Monica Benício, a prisão de dois suspeitos nessa terça (12) é passo importante, mas não é suficiente

O policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, foram detidos nesta terça (12). Foto: Reprodução.

Próximo à data que marca um ano do assassinato de Marielle Franco, dois suspeitos pela execução da vereadora e de seu motorista, Anderson Gomes, foram presos na manhã desta terça-feira (12).

O policial militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos, e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, foram detidos por uma força tarefa da Operação Buraco do Lume, composta por policiais da Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio de Janeiro e por promotores do Ministério Público. A investigação do Ministério Público e da Polícia Civil aponta que os policiais são responsáveis pelo crime.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Monica Benício, companheira de Marielle, conta que soube da prisão dos suspeitos na madrugada, ao receber a ligação de uma das promotoras.

“Considero um passo muito importante na investigação. Parabenizo as promotoras, sobretudo, e a DH (Delegacia de Homicídios). Mas não podemos esquecer que daqui há dois dias completamos um ano da execução. [Precisou de] Um ano para ter essa resposta, que tinha que ser respondida há muito tempo”, pontua Monica.

A viúva da vereadora afirma ainda que o resultado da investigação não é suficiente. “Não podemos esquecer que a resposta mais importante ainda não nos foi dada: Quem mandou matar Marielle e qual a motivação desse crime? Mais importante do que termos ratos mercenários serem responsabilizados pelo que fizeram, é a questão urgente e necessária, que é saber quem foi que mandou matar Marielle”, enfatiza Benício.

Segundo a denúncia das promotoras Simone Sibilio e Leticia Emile, assinada pelo juiz substituto do 4º Tribunal do Júri Gustavo Kalil, Lessa teria sido responsável pelos disparos enquanto Queiroz seria o motorista do Cobalt prata que perseguiu o carro da vereadora. Como a investigação aponta que o crime foi meticulosamente planejado ao longo de 3 meses, a operação também está apreendendo documentos, celulares, computadores, armas dos suspeitos. Há indícios de que Lessa monitorava eventos que a vereadora participa através de um celular “bucha”.

Sobre a continuidade das investigações para identificar o mandante da execução, Monica espera que não demore tanto quanto as primeiras respostas oficiais que foram dadas no dia de hoje. “Sinceramente, espero que não tenhamos que aguardar mais um ano para chegar a essa resposta. Mas não podemos deixar de olhar que finalmente algo concreto está acontecendo a respeito dessas investigações, isso tem que ser ressaltado”.

Legado

No último 8 de março, Dia Internacional de Luta das Mulheres, Marielle Franco foi homenageada por milhares de mulheres em atos por todos os estados do país. Mulher negra, periférica e lésbica, Marielle se tornou um grande símbolo de resistência contra todas as formas de opressão.

Para Monica, Marielle é um símbolo de referência e inspiração, “para que sigamos na resistência e na luta”.

“De forma positiva, podemos compreender que a noite do 14 de março não pode ser vista só como uma noite de barbárie e violência, mais uma noite onde podemos ressignificar a esperança. Ressignificar a resistência”, disse.

“Marielle se tornou um símbolo de resistência uma vez que vemos a imagem dela sendo replicada pelo mundo inteiro, que se indignou com a violência, mas que também reconheceu o trabalho dela enquanto defensora dos direitos humanos, e não só o trabalho dela, mas o que ela representava. O que ela simbolizava, que é uma construção coletiva muito maior do que a própria imagem dela”, ressalta Monica.

Mobilizações em todos os estados do país estão sendo articuladas para o próximo 14 de março, data que marca um ano da execução da vereadora.

 

Via Brasil de Fato

Notícias

Segundo MP, Marielle foi executada em razão de sua atuação política

Polícia do Rio prendeu os PMs Ronnie Lessa, de 48 anos, e Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos, suspeitos pelo assassinato da vereadora

Marielle Franco foi assassinada no dia 14/03/2018. Foto: Reprodução.

A polícia do Rio de Janeiro deteve, na madrugada desta terça-feira 12, dois suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. As detenções acontecem às vésperas de o assassinato completar um ano.

Os detidos são o policial militar reformado Ronnie Lessa, de 48 anos, e o ex-policial militar Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos. O primeiro teria disparado os tiros, do banco de trás do carro usado no crime; o segundo seria o motorista.

De acordo com os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, o crime foi meticulosamente planejado durante três meses.

“É inconteste que Marielle Francisco da Silva foi sumariamente executada em razão da atuação política na defesa das causas que defendia”, diz a denúncia apresentada pelo Ministério Público do Rio. “A barbárie praticada na noite de 14 de março de 2018 foi um golpe ao Estado Democrático de Direito.”

A investigação indica que Ronnie Lessa fez com regularidade pesquisas na internet sobre os locais que a vereadora frequentava. Os investigadores sabem também que, desde outubro de 2017, o policial pesquisava a vida do então deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL). Foram encontradas ainda buscas on-line sobre o então interventor na segurança pública do Rio, o general Braga Neto.

Segundo o jornal O Globo, Ronie Lessa foi preso em sua casa, no condomínio Vivendas da Barra, o mesmo onde o presidente Jair Bolsonaro tem uma casa, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. O diário carioca diz que, segundo os investigadores, não foi constatada nenhuma ligação, a não ser o fato de serem vizinhos.

A operação que levou às duas prisões é a primeira com a participação do Ministério Público do Rio. Ela aconteceu por meio do Gaeco, grupo de combate ao crime organizado que investiga crimes principalmente relacionados às milícias no Rio.

Os investigadores ainda não revelaram quem foi o mandante da execução. Após quase um ano de investigação, polícia e o Ministério Público do Rio decidiram dividir o inquérito em duas partes: uma sobre os executores do crime, outra sobre os mandantes.

Outra pergunta ainda em aberto é quem era o outro ocupante do carro usado no crime – os investigadores têm certeza de que havia três pessoas dentro do veículo no momento dos disparos naquele 14 de março.

Marielle, de 38 anos, e Anderson, de 39, foram assassinados em 14 de março de 2018 no bairro do Estácio, região central do Rio, quando saíam de um evento no qual a vereadora palestrava. O carro foi alvejado por vários disparos, dos quais quatro atingiram a cabeça dela.

As investigações sobre o crime – que levou multidões às ruas no mundo todo para manifestar solidariedade e cobrar explicações – correram durante todo o tempo sob sigilo, embora uma série de informações tenha sido revelada pela imprensa brasileira.

Além de defender os direitos das mulheres e a inclusão social, Marielle criticava também a violência policial e a ação de milícias. Seu assassinato causou comoção internacional, e organizações de defesa dos direitos humanos pressionavam para que respostas fossem apresentadas.

 

Via Carta Capital

Notícias

PM e ex-PM suspeitos de matar Marielle Franco são presos no Rio de Janeiro

Ronie Lessa teria feito os disparos e Elcio Vieira de Queiroz, conduzido o veículo usado no crime

Ato no Dia Internacional da Mulher pela Justiça pela morte da vereadora Marielle Franco, no Rio de Janeiro. Foto: Reprodução.

Uma operação conjunta do Ministério Público e da Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu na madrugada desta terça-feira dois suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes no dia 14 de março de 2018. Ronie Lessa é policial militar reformado e Elcio Vieira de Queiroz foi expulso da Polícia Militar.

Segundo o Ministério Público, os dois foram denunciados depois de análises de diversas provas. Lessa teria sido o autor dos disparos de arma de fogo e Elcio, o condutor do veículo usado na execução. O crime teria sido planejado nos três meses que antecederam os assassinatos.

De acordo com informações do jornal O Globo, a polícia e o Gaeco chegaram às 4h na casa dos investigados. Lessa mora no condomínio Vivendas da Barra, o mesmo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). O jornal destaca, no entanto, que a investigação não aponta nenhuma relação entre o policial e o presidente.

Operação

Além dos mandados de prisão, a chamada Operação Lume cumpre mandados de busca e apreensão em endereços dos dois suspeitos, para apreender documentos, telefones celulares, computadores, armas e acessórios.

Na denúncia apresentada à Justiça, o MP também pediu a suspensão da remuneração e do porte de arma de fogo de Lessa, a indenização por danos morais aos familiares das vítimas e a fixação de pensão em favor do filho menor de Anderson até completar 24 anos de idade.

Segundo o MP, o nome da operação é uma referência a uma praça no Centro do Rio, conhecida como Buraco do Lume, onde Marielle desenvolvia um projeto chamado Lume Feminista. No local, ela também costumava se reunir com outros defensores dos direitos humanos e integrantes do seu partido, o PSOL. “Além de significar qualquer tipo de luz ou claridade, a palavra lume compõe a expressão ‘trazer a lume’, que significa trazer ao conhecimento público, vir à luz”, informa a nota.

 

Via El País

Notícias

“Só há democracia se as Forças Armadas quiserem”, diz Bolsonaro

Presidente afirmou, também, que vai governar apenas ao lado daqueles que respeitam a família e possuem ideologia semelhante à dele

A metralhadora de polêmicas do presidente Jair Bolsonaro voltou a disparar declarações controversas nesta quinta-feira 7. Em discurso na cerimônia no 211º aniversário do Corpo de Fuzileiros Navais, no centro do Rio de Janeiro, o presidente afirmou que “democracia só existe se as Forças Armadas quiserem”.

A declaração fere a Constituição Federal que, depois de 21 anos de ditadura militar, foi escrita garantindo a democracia no país. Bolsonaro afirmou, também, que vai governar “apenas ao lado daqueles que respeitam a família” e possuem ideologia semelhante à dele.

“A missão será cumprida ao lado das pessoas de bem do nosso Brasil, daqueles que amam a pátria, daqueles que respeitam a família, daqueles que querem aproximação com países que têm ideologia semelhante à nossa, daqueles que amam a democracia. E isso, democracia e liberdade, só existe quando a sua respectiva Força Armada assim o quer”, afirmou.

Bolsonaro fez um discurso rápido, mas citou o projeto de Reforma da Previdência do seu governo, que aguarda votação no Congresso Nacional, e garantiu que os militares serão incluídos. “Entraremos numa nova Previdência em que entrarão os militares, mas não esqueceremos as especificidades de cada Força”, defendeu.

https://www.cartacapital.com.br