Notícias

Estudantes, trabalhadores e sonhadores. Quem eram os jovens que morreram após ação da PM em baile funk

Amigos e familiares contam como eram as nove vítimas que foram pisoteadas em Paraisópolis

Dennys Guilherme dos Santos Franco, 16 anos, morador da Vila Matilde, zona leste paulistana. Ele é uma das nove vítimas pisoteadas durante ação da PM em baile funk de Paraisópolis, na zona sul de São Paulo. ARQUIVO PESSOAL

Nove jovens de 14 a 23 anos, moradores de variados bairros da cidade de São Paulo e de cidades da região metropolitana da capital paulista. Um trabalhava com vendas, outro estava desempregado e mantinha vivo o sonho de ser jogador de futebol, outros vários ainda estudavam. Amigos e, sobretudo, familiares contam como eram os nove mortos do massacre ocorrido em Paraisópolis, zona sul de São Paulo, decorrente de uma ação da Polícia Militar do Estado, comandada pelo governador João Doria (PSDB).

Parentes de alguns dos mortos estiveram no IML (Instituto Médico Legal) para reconhecer e liberar os corpos para os respectivos enterros. Eles relembraram com carinho de seus entes e cobraram respostas do poder público, seja pela violência da PM com os integrantes do baile funk, seja pelo fato de não verem os corpos com ferimentos das vítimas, apenas seus rostos.

Essa segunda questão é levantada por Vanini Cristiane Siqueira, irmã de Bruno Gabriel dos Santos, de 22 anos. Desempregado, o jovem trabalhava com telemarketing até ser demitido há alguns meses. Ainda nutria o sonho de virar jogador de futebol, apesar da idade avançada para o início de carreira. Para os pais, tempo que não foi suficiente para o amadurecimento do jovem torcedor do São Paulo. Nem sequer carteira de motorista o deixaram tirar, mesmo após quatro anos da liberação legal, por considerá-lo imaturo para ter um carro sob seu controle.

No IML, Vanini reconheceu o rosto do irmão. Quando tomou a atitude de abrir o saco que cobria o corpo, foi impedida por um funcionário do IML. Segundo ele, ela não poderia fazer aquilo pois o corpo estava muito machucado. “Eu saio daqui inconformada. Por que não pude ver o corpo do meu irmão? Não estão deixando ninguém ver o corpo, só o rosto”, afirmou a irmã. “Tem que saber o que aconteceu realmente, porque esses jovens foram impedidos de sair. Tem que ser averiguado. Infelizmente, o meu irmão se foi. É pedir justiça e que Deus receba ele”, lamentou.

Bruno era um rapaz apegado à família, segundo Vanini. Colocava os sobrinhos e os pais em primeiro lugar. Ele era adotado, vivia com a família de acolhimento desde os 10 anos em Mogi das Cruzes (Grande SP). “Inclusive, ele abraçou minha mãe esses dias e falou: ‘Mãe, eu não quero que você vá antes de mim, eu quero ir antes de você’. Ele sempre deixava bilhetes para minha mãe”, conta Vanini. No IML, a mãe biológica de Bruno não resistiu e desmaiou ao ver o filho deitado na maca.

Inconformismo é um sentimento comum entre os familiares. Roberto Oliveira é padrinho de Gustavo Cruz Xavier, 14 anos, estudante que morava no Capão Redondo, zona sul de São Paulo, a vítima mais nova do massacre. Eles descobriram que o jovem estava morto ao receberem por WhatsApp vídeos do massacre ocorrido no baile funk. Nas imagens, a mãe reconheceu Gustavo e, com sua demora de voltar para a casa, os familiares ligaram os pontos.

O adolescente mentiu e foi com dois amigos de 16 anos para o baile, considerado perigoso pela família, tanto pelas ações policiais quanto pela presença de “gente ruim”. “Os adolescentes que moram na periferia não têm condição de ir em um shopping curtir, em ir curtir nesses bailes no Anhembi, com um monte de artista. É muito caro. E os bailes funks são baratos”, comenta Roberto.

O padrinho conta que Gustavo “só tinha tamanho”, um menino doce que não tinha malícia nem “pensava rápido” quando acontecia uma confusão, como a ação da PM. O principal sonho dele, estudante do nono ano do ensino fundamental, era o de muitos jovens da periferia: ter um carro. “O Gustavo era um menino, não pensava muito no futuro”, lembra.

A família recebeu do IML apenas uma corrente usada por Gustavo no baile funk —nenhum outro pertence era permitido sob alegação de que as roupas foram cortadas e “jogadas fora”. “[Marca] de pisoteamento a gente não viu. Quando você cai no chão jogando bola você se rala. Nele não, tinha uma pancada na cabeça, na testa, e o pescoço estava meio roxo. Não deram nem a roupa dele para nós”, conta Roberto.

Marcos Paulo Oliveira dos Santos, 16 anos, disse para a família que ia comer uma pizza e foi para Paraisópolis. O estudante se preparava para fazer vestibular e aproveitou um momento para juntar um grupo de amigos e ir pela primeira vez a um baile funk, de acordo com um familiar. Era um intervalo para divertimento. Um dos integrantes do grupo disse aos parentes de Marcos que a PM os agrediu deliberadamente.

“Bateram muito com cassetete, o outro rapaz está cheio de hematomas. Ele tropeçou, caiu e vários policiais o agrediram. Está com os punhos machucados”, conta a parente de Marcos, que pediu anonimato com medo de sofrer represálias. Marcos Paulo era um jovem tranquilo e amoroso que ainda estudava no 2º ano do ensino médio. Segundo essa familiar, o bairro em que moram dá poucas opções de lazer, o que faz os adolescentes buscarem os bailes.

Silvia Ferreira, cunhada de Mateus dos Santos Costa, 23 anos, criticou a falta de informações no IML. “Vamos na delegacia, alguém tem falar alguma coisa para a gente. O médico da perícia não sabe dar uma justificativa. Falam para voltarmos daqui a 60 dias e pegar o laudo”, afirma. “É uma pessoa que está ali, um humano. Não é um cachorro. Ao menos vem e fala: ‘Ele está muito machucado, não sabemos dizer se foi um espancamento, se foi pisoteamento’. Dá uma declaração justa. Que governo é esse?”, esbraveja.

O jovem ganhava a vida vendendo produtos de limpeza. Natural da Bahia, morava em Carapicuíba, cidade da região metropolitana de São Paulo, e viveu seus últimos dias cercado de alegrias. Mateus era torcedor do Flamengo, time que no fim de semana do dia 23 de novembro conquistou os títulos da Copa Libertadores e do Campeonato Brasileiro de futebol masculino.

“O vídeo mostra muito bem claro. Os amigos disseram que foi tudo muito rápido, que os policiais já chegaram fechando a rua. Fecharam todos os becos e um escadão”, conta Silvia. “Ele era um menino tranquilo. Se fosse errado, eu falava que não valia nada. Ele só foi para lá porque Carapicuíba não tem opção para a gente sair, nem para nós que somos casal”, afirma, se referindo ao companheiro, Marcos Costa, irmão de Mateus, que estava no IML.

Uma parente de Dennys Guilherme dos Santos Franco, 16 anos, morador da Vila Matilde, zona leste paulistana, conta que ouviu de um amigo que estava com o jovem o que teria ocorrido no baile. O grupo correu quando a polícia chegou, Dennys ficou para trás e um dos amigos tentou ajudar. Ali, um policial teria dito: “pode deixar que a gente cuida dele”.

“Não foi nada disso que eles estão divulgando. Ele tem um machucado na cabeça, os pés intactos e o costuraram de qualquer jeito. Pedi para tocar nele e não deixaram nem por a mão”, disse a familiar, abalada, pedindo para não ser identificada. Dennys estudava no segundo ano do ensino médio.

Um amigo de Denys Henrique Quirino da Silva, 16 anos, descreve o rapaz como “um moleque bom, que nunca fez mal para ninguém”. “Era trabalhador, que estudava e sempre tirava um sorriso de todo mundo, muito brincalhão”, comenta o rapaz.

Moradora do Jardim Primavera, região do Grajaú, também na zona sul de São Paulo, Luara Victória de Oliveira, 18, era frequentadora assídua de baile funk. Segundo o R7, um parente da vítima, que pediu para não ser identificado, contou que Luara foi criada pelo pai na casa da avó e precisou muito do apoio de familiares nos últimos cinco anos, quando ficou órfã. Também relatou que amava ir aos “pancadões” e que já tinha ido outras vezes ao baile de Paraisópolis. Ela estudava na rede pública, em uma escola ao lado do bairro onde vivia, e estava procurando um emprego.

Pai de uma criança dois anos, Eduardo Silva, 21, é a oitava vítima. Ao site R7 uma cunhada do jovem, que preferiu não se identificar, afirma que a família ficou desesperada quando Eduardo não voltou do baile. “Como vai ser agora? Na hora que recebei a notícia fiquei pensando no que dizer quando ele perguntar do pai. Como vou explicar o que aconteceu”, disse. Ele morava no bairro Cidade Ariston, em Carapicuíba, na Grande São Paulo, com a mãe, o pai, uma irmã e o filho, e trabalhava numa oficina mecânica. “Agora fica a lembrança e a saudade. Ele era um bom menino”, lamenta.

Gabriel Rogério de Moares, 20, a nona vítima, foi velado e enterrado nesta segunda-feira (2/12) em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, onde vivia. Ao site G1 o pai dele, Reinaldo Cabral de Moraes, disse que uma ação contra criminosos não justifica agredir jovens que estavam se divertindo. “Não existe justificativa para tirar uma vida. Vão ter investigações, mas o que indica é que houve um excesso policial, força excessiva contra jovens que estavam lá e não tinham nada a ver com o assunto”, criticou.

Ainda segundo o portal, Gabriel trabalhava como leiturista de uma empresa que presta serviços para uma concessionária de energia.

 

https://brasil.elpais.com/

Notícias

Dança e tradição em praça pública do Bairro Fernando Idalino

Segunda apresentação do 1º Circuito de Dança na Periferia aconteceu no Sábado

Foto: Fernando Pereira / Abajur Soluções Audiovisuais

A noite do sábado (15) no Bairro Fernando Idalino ganhou um colorido a mais, bailarinos da Cia. de dança do Sesc Petrolina apresentaram o espetáculo Eu Vim da Ilha na praça da saúde, reunindo crianças, adultos e idosos. Essa foi mais uma ação do 1º Circuito de Dança na Periferia, que realiza um ciclo de atividades na comunidade desde agosto.

Foto:Fernando Pereira / Abajur Soluções Audiovisuais

A pequena Melissa, de 05 anos, estava com os olhos brilhando, sentada na primeira fila. O pai Bel Oliveira, morador do bairro, disse que ela nunca tinha assistido dança contemporânea. “Muito bacana uma atividade dessa. Achei muito legal para a gente que não conhece, educativo também. Agora vou ao teatro e vou levar a criança também”, afirmou.

Foto: Fernando Pereira / Abajur Soluções Audiovisuais

Tássio Tavares é bailarino do espetáculo e morador do Fernando Idalino, essa foi a primeira vez se apresentou no bairro. Sobre falar da Ilha do Massangano e do Samba de Véio ele comenta “aqui é um lugar que tem uma convivência com o pagode e o funk, sua própria Cultura, mais nesse lado pop. Acho também legal trazer esse trabalho que é da cidade para cá, para eles conhecerem algo que é daqui. Isso expande a visão cultural da comunidade”.

Foto: Fernando Pereira / Abajur Soluções Audiovisuais

1° Circuito de Dança na Periferia – Uma realização da Cia. Balançarte e promove uma programação contínua em comunidades de Petrolina. As atividades continuam com ações na Escola Municipal Professor Nicolau Boscardin até o dia 11 de outubro, oferecendo oficinas de dança e uma mostra pedagógica. Nos ciclos de atividades seguintes, o circuito deve chegar aos bairros José e Maria (na Associação das Mulheres Rendeiras), Rio Corrente (no Cine-teatro CEU das Águas) e João de Deus (no Centro Paroquial).

 

 

Por  Adriano Alves / Agência Virabólica

 

 

 

 

 

Notícias

1° Circuito de Dança na Periferia é lançado em Petrolina-PE

Esse é o primeiro ciclo do circuito na cidade, que continua com atividades na escola durante dois meses, incluindo oficinas, apresentações e mostra pedagógica. Estudantes de 04 a 13 anos terão a possibilidade de, além de assistir trabalhos de grupos de dança profissionais e conversar com eles, experienciar a criação artística em aulas de diversas linguagens e ritmos.

Foto: Thierry Oliveira / Abajur Soluções

Ao som de gritos de empolgação e palmas no ritmo da música, assim foi a recepção dos alunos da Escola Municipal Professor Nicolau Boscardin ao 1° Circuito de Dança na Periferia. A primeira atividade do projeto no Bairro Fernando Idalino aconteceu neste sábado (25) pela manhã, quando foram apresentadas coreografias de danças urbanas pelo grupo H2Om Crew, atendendo mais de 300 crianças e jovens da comunidade.

Esse é o primeiro ciclo do circuito na cidade, que continua com atividades na escola durante dois meses, incluindo oficinas, apresentações e mostra pedagógica. Estudantes de 04 a 13 anos terão a possibilidade de, além de assistir trabalhos de grupos de dança profissionais e conversar com eles, experienciar a criação artística em aulas de diversas linguagens e ritmos.

Foto: Thierry Oliveira / Abajur Soluções

A gestora da unidade, Maria Lúcia Gomes Pereira Lima, disse esperar que o projeto colabore com a dinâmica da escola para atrair mais o interesse dos estudantes.  “A criança gosta disso, de movimento, de coisa diferente. A dança tem esse poder. Aqui é uma escola de uma comunidade carente de muitas coisas e a gente tem enfrentando um problema sério de indisciplina. Eu vejo esse projeto como uma oportunidade de trazer mais a atenção dos alunos”, afirma.

Depois de assistir a apresentação do grupo, o público teve uma conversa para conhecer melhor sobre o trabalho que o H2Om desenvolve. Durante o bate-papo, foi explicado sobre a cultura do Hip Hop, que une dança e outras linguagens. O coreógrafo Vitor Vondutch disse achar muito importante uma programação de dança nos bairros. “O Hip Hop é um movimento que surge na periferia, então não há nada mais interessante para a gente do que dançar aqui”, comentou.

Foto: Thierry Oliveira / Abajur Soluções

Atividades no Bairro Fernando Idalino

O 1° Circuito de Dança na Periferia continua com ações na Escola Municipal Professor Nicolau Boscardin até o dia 11 de outubro. De 28 de agosto até 10 de outubro, acontecem três oficinas de dança, sempre de terça a quinta-feira. Mais um grupo se apresenta na escola no dia 15 de setembro, a Cia. de Dança do Sesc Petrolina com o ‘Eu Vim da Ilha’, às 19h, aberto para toda a comunidade do Bairro Fernando Idalino. As atividades se encerram com uma mostra pedagógica, quando os alunos apresentam os resultados das aulas.

Nos ciclos de atividades seguintes, o circuito deve chegar aos bairros José e Maria (na Associação das Mulheres Rendeiras), Rio Corrente (no Cine-teatro CEU das Águas) e João de Deus (no Centro Paroquial). Os grupos parceiros que se apresentam são a Cia. de Dança do Sesc Petrolina, a Confraria 27, o Coletivo Trippé, a Cleybson Lima Produções, o Coletivo Incomum, o  H2Om Crew, e a própria Cia. Balançarte, realizadora do projeto.

 

Por Adriano Alves / Agência Virabólica

Foto: Divulgação