Notícias

‘Documentos provam que processos foram corrompidos e liberdade de Lula é urgente’, diz Zanin

Defesa de Lula veio à público denunciar em nota o conluio entre Sérgio Moro e os procuradores da Lava Jato para atuarem em uma condenação política do ex-presidente em um processo sem provas

Foto: Mídia NINJA

Após a série de reportagens que mostra comportamentos antiéticos dos “heróis” da justiça brasileira e da operação mais midiática dos últimos anos no país divulgada nesta noite pelo The Intercept Brasil, a defesa de Lula veio à público denunciar em nota o conluio entre Sérgio Moro e os procuradores da Lava Jato para atuarem em uma condenação política do ex-presidente em um processo sem provas e atuando para impedir uma entrevista dele por medo de que isso pudesse eleger Fernando Haddad nas eleições de 2018.

Leia a nota na íntegra:

Em diversos recursos e em comunicado formalizado perante o Comitê de Direitos Humanos da ONU em julho de 2016 demonstramos, com inúmeras provas, que na Operação Lava Jato houve uma atuação combinada entre os procuradores e o ex-juiz Sérgio Moro com o objetivo pré-estabelecido e com clara motivação política, de processar, condenar e retirar a liberdade do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A reportagem publicada hoje (09/06/2019) pelo portal “The Intercept” revela detalhes dessa trama que foi afirmada em todas as peças que subscrevemos na condição de advogados de Lula a partir dos elementos que coletamos nos inquéritos, nos processos e na conduta extraprocessual dos procuradores da Lava Jato e do ex-juiz Sergio Moro.

A atuação ajustada dos procuradores e do ex-juiz da causa, com objetivos políticos, sujeitou Lula e sua família às mais diversas arbitrariedades. A esse cenário devem ser somadas diversas outras grosseiras ilegalidades, como a interceptação do principal ramal do nosso escritório de advocacia para que fosse acompanhada em tempo real a estratégia da defesa de Lula, além da prática de outros atos de intimidação e com o claro objetivo de inviabilizar a defesa do ex-Presidente.

Ninguém pode ter dúvida de que os processos contra o ex-Presidente Lula estão corrompidos pelo que há de mais grave em termos de violações a garantias fundamentais e à negativa de direitos. O restabelecimento da liberdade plena de Lula é urgente, assim como o reconhecimento mais pleno e cabal de que ele não praticou qualquer crime e que é vítima de “lawfare”, que é a manipulação das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política.

Cristiano Zanin Martins

 

 

http://midianinja.org

Notícias

Em carta aberta, vereadores petistas de Pernambuco declaram apoio a Marília Arraes ao governo do Estado

“Se algum partido tem legitimidade e enraizamento social para apresentar à Pernambuco, um projeto de renovação das esperanças, esse partido é o PT”, diz a nota.

O Primeiro encontro de vereadores petista de Pernambuco aconteceu nos dias 20 e 21, na cidade de Serra Talhada e reuniu além de vereadores de todo o estado, várias lideranças políticas do Partido dos trabalhadores a exemplo do senador Humberto Costa e de Bruno Ribeiro, presidente do partido.

A iniciativa do encontro foi do vereador Daniel Finizola, da cidade de Caruaru. Entre as atividades do encontro destaque para o debate ‘Modo Petista de Legislar’ com a participação de Dilson Peixoto e a oficina de comunicação com Rafael Vilela do Mídia Ninja. As conjunturas Nacional e Estadual com vistas às eleições de 2018 também foram temas de debates no encontro, tendo como debatedores o senador Humberto Costa, Bruno Ribeiro e o prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque. Dentro dessa programação, a professora Liana Cirne apresentou a obra de sua co-autoria,”Comentários de uma sentença anunciada: o processo Lula”, escrita por 122 juristas, advogados e intelectuais do mundo jurídico.

Ao final das atividades os vereadores apresentaram uma carta aberta defendendo candidatura própria do partido e Marília Arraes como o nome para disputar o governo do Estado de Pernambuco em 2018.

Leitor da carta, o  vereador Gilmar Santos, PT, de Petrolina, fez a seguinte avaliação do I encontro de Vereadores de Pernambuco : “esse encontro é um marco para a história do partido em Pernambuco, já que fortalece a atuação dos vereadores e vereadoras em cada município e possibilita a partilha de experiências entre todos para a construção de um projeto que transforme o nosso estado em um ambiente de maior inclusão social, mais democracia e justiça social para o  povo pernambucano. A apresentação do nome da companheira Marília Arraes sinalize positivamente para afirmar o protagonismo do nosso partido na defesa desse projeto“.

Confira abaixo a carta dos vereadores:

“O Brasil e o mundo clamam por renovação política. Às vésperas dos 30 anos da promulgação da constituição de 88, que nos devolveu o Regime Democrático, vemos essa mesma democracia cambaleante, seja pelo golpe de 2016, seja pelo distanciamento na identificação entre a sociedade e as lideranças partidárias.

A força social que levou o PT ao comando de governos, sindicatos e entidades sociais, nasceu da expressão renovadora da geração que lutou pela redemocratização.

Três décadas depois, o PT é o partido com maior presença na vida real do povo brasileiro. Deve-se a isso, o resultado de 13 anos de inclusão social à frente do Governo Federal a ser o partido responsável por tirar nosso país do mapa da fome.

A crise de representatividade que atinge o cenário político atual exige do nosso partido a capacidade de, a um só tempo, manter-se fiel aos princípios de inclusão social que sempre nos nortearam e de renovar nossa atuação política, dano voz aos novos atores e atrizes, que disputam o protagonismo político, acompanhados de novas linguagens, símbolos, demandas e identidades.

Se algum partido tem legitimidade e enraizamento social para apresentar à Pernambuco, um projeto de renovação das esperanças, esse partido é o PT. Mas pra isso, é preciso coragem e desprendimento individual. Por isso, saudamos efusivamente a decisão do Diretório Estadual por candidatura própria do PT ao governo do Estado.

Pernambuco anseia por mudança. Do litoral ao sertão, reclama-se a inércia, incompetência e ausência do Governador Paulo Câmara e suas políticas. O PT tem a obrigação de responder a essa necessidade popular. Não há outra alternativa realmente inclusiva capaz de resgatar a dignidade do povo pernambucano, que sofre com índices superiores a de conflitos e guerras internacionais.

Por tudo isso, estamos convictos de que o PT deve apresentar candidatura própria ao Governo de Pernambuco nas eleições de 2018. Para renovar-se a si mesmo e também ao Palácio das Princesas. Consideramos que dentre os nomes ventilados, o da companheira Marília Arrares, Vereadora do Recife, eleita com mais 11 mil votos, mulher, combativa e qualificada, enraizada nas melhores tradições e práticas da esquerda, reúne as condições de reencantar Pernambuco com o PT, colaborar com a eleição de Lula Presidente e implementar um programa de gestão capaz de resgatar Pernambuco das páginas policiais.

É hora de mudança. É hora de ousadia. É hora de Marília Governadora e Lula Presidente!

Serra Talhada, 21 de outubro de 2017.

VEREADORES E VEREADORAS DO PT.

DANIEL FINIZOLA – CARUARU

ERNESTO MAIA – SANTA CRUZ

DEOMEDES BRITO – SANTA CRUZ

SINÉZIO RODRIGUES – SERRA TALHADA

MANOEL ENFERMEIRO – SERRA TALHADA

ALMIR DOS SANTOS – CEDRO

GILMAR SANTOS – PETROLINA

ANDRÉ CACAU – SALGUEIRO

ORESTES ALBUQUERQUE – SERTÂNIA

IVETE RAMOS – SURUBIM

ARISTÓTELES MONTEIRO – TABIRA

ADEILTON PATRIOTA – FLORES

KILDARES NUNIS – ITACURUBA

EZEQUIEL SANTOS – CABO DE SANTO AGOSTINHO

EVERALDO VALÉRIO – OURICURI

LUCIANO DUQUE – PREFEITO DE SERRA TALHADA.

Crítica em Movimentos

Novas mídias se tornam aliadas de movimentos sociais na criação de narrativas próprias

Para além do uso recreativo e social, as tecnologias da informação e comunicação se consolidaram como um importante instrumento de mobilização social.

As novas mídias já fazem parte do cotidiano de milhões de brasileiros diariamente. Segundo pesquisa mais recente do IBGE, quase metade da população (49,4%) já está conectada à internet. E neste ano, pela primeira vez, o número de smartphones (306 milhões) superou o de computadores (154 milhões), de acordo com estudo da Fundação Getúlio Vargas. Para além do uso recreativo e social, essas tecnologias da informação e comunicação se consolidaram como um importante instrumento de mobilização social.

Desde os protestos de junho de 2013, diversos coletivos independentes de mídia se destacaram pelo uso ostensivo das plataformas digitais, que deram voz ao clamor das ruas e serviram de contraponto à cobertura da mídia tradicional. Para a repórter e fundadora do coletivo Jornalistas Livres, Laura Capriglione, o coletivo Mídia Ninja foi quem melhor cobriu as manifestações à época. “Eles mostraram que temos força para contar nossas histórias e fazer nossas narrativas”, analisou a jornalista.

Protesto de estudantes em São PauloA repercussão inspirou muitas outras mobilizações sociais que vieram depois, como a dos estudantes secundaristas de São Paulo, que chegaram a ocupar 196 escolas no estado na última sexta-feira (4) como forma de evitar a reestruturação no ensino que previa o fechamento de 90 escolas. Capriglione avalia que os estudantes estão fazendo um dos movimentos mais “lindos” que ela já viu em todo o tempo em que atua com cobertura de mobilizações sociais.

“Juntaram juventude, cultura, poesia e o que é fundamental: mídia”, ressaltou.

O movimento #OcupaEscola tem realizado oficinas de mídias com todos os participantes, ensinando técnicas para produção e edição de vídeos e fotografias, bem como publicação dos conteúdos em páginas nas redes sociais de cada escola ocupada. “Eles perceberam que a imprensa era um obstáculo terrível, pois a narrativa da mídia tradicional foi no sentido de só criminalizar os estudantes, com alegações de vandalismo, drogas e até sexo dentro das escolas”, explicou a jornalista.

Mais uma produção autônoma e independente direto das ocupas.Veja como fazer um vídeo e o quanto ele pode ser uma boa…

Posted by Canal Secundarista on Terça, 24 de novembro de 2015

Ivana Bentes, secretária de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura, considera que essas mídias fragmentadas poderiam se tornar uma “massa de mídias” em oposição à mídia de massas. Mas para isso é preciso que elas estejam conectadas, articuladas entre si, argumentou a também professora de Comunicação.

Os meios tradicionais têm perdido força ante à internet, sobretudo para as gerações mais jovens. O tempo de consumo da web (4h59) de segunda a sexta-feira já é maior que o dos outros meios, como televisão (4h14) e rádio (3h42), segundo a Pesquisa Brasileira de Mídia 2015 da Secretaria de Comunicação da Presidência da República. O escritor e ator Gregório Duvivier avalia que o conservadorismo desses meios, sobretudo da televisão, afasta a geração mais jovem.

“Se as emissoras investissem num humor mais livre ou num jornalismo mais livre iriam atrair mais espectadores, mais alcance. Elas iam saber dialogar com essa geração. Mas elas não querem conquistar os novos espectadores, eles querem é continuar agradando os patrocinadores de sempre”, disse o co-fundador do canal de humor na internet Porta dos Fundos.

Duvivier também criticou a relação que alguns veículos de mídia estabelecem com políticos durante o debate realizado hoje (8) no encontro, promovido pelo Ministério da Cultura. O escritor usou, como forma de protesto, uma camiseta estampada com fotos de políticos que são sócios de emissoras de rádio e TV.

No mês passado, com base no artigo 54 da Constituição Federal, organizações da sociedade civil entraram com representação no Ministério Público Federal contra 32 deputados e oito senadores que possuem concessões de emissoras.“É um problema muito sério essa relação promíscua dos jornais com o Poder, o que é muito comum no Brasil”, disse.

Texto produzido pela Empresa Brasil de Comunicação S/A – EBC sob a licença Creative Commons Atribuição 3.0.