Notícias

Um momento para álbum de família

Passagem da tocha já se despediu de Petrolina, mas ficou na memória das pessoas

IMG-20160527-WA0029A tocha é um dos principais símbolos do maior evento poliesportivo do planeta e o seu revezamento pelo país sede é uma tradição que fica marcada na memória de quem participa. Antes dos jogos, há o seu revezamento, quando, de mão em mão, o povo vai celebrando as Olimpíadas. Além dos atletas brasileiros, a Rio 2016, tem levado outras histórias para as ruas, como uma senhora que é empresária, um homem do mesmo ramo e outro que é bancário. Esses três correram em Petrolina e o que eles têm de diferencial entre os milhares de participantes nacionais, é que formam uma família, sertaneja e banhada pelo rio.

A família se inscreveu no site de um dos patrocinadores do evento, onde contaram suas histórias. Após aguardar ansiosos pelo resultado, recebram um email confirmando a participação de três parentes, por onde também souberam que iam correr juntos nessa que foi a primeira cerimônia em solo pernambucano. “Foi excelente! Ficamos na expectativa torcendo para que fossemos selecionados e tudo deu certo, graças a Deus”, comenta a mãe Edneide Carvalho.

A matriarca Dona Edineide foi quem iniciou no revesamento, na Avenida da Integração e seguiu por 200 mts, até  passar a tocha para o filho Robert Tadeu Carvalho, próximo ao Parque Municipal Josepha Coelho. O empresário seguiu mais 200 mts, até chegar onde seu irmão Reiler Carvalho lhe aguardava, concluindo o trecho que IMG-20160527-WA0041foi designado para a sua família levar a diante o fogo olímpico. O trajeto também foi acompanhado por outros parentes, que torciam e estavam empolgados com esse momento.

Sobre poder participar de uma partes dessa história, Dona Edneide diz que é “uma sensação inigualável. Como diz o Rei Roberto Carlos, foram muitas emoções, lindo demais”, relembrou. No caso dela, ainda mais forte por estar ao lado dos filhos. “Entregar a tocha olímpica para meu filho Robert Tadeu e ele entregar para o Reiler, foi sensacional, belíssimo, não tenho palavras para expressar tamanha emoção. Momento único em nossas vidas”, comenta.

Eles ficaram com a tão celebrada tocha, que deve ser guardada com carinho e repleta de boas lembranças. E o álbum de família também tem mais uma história de emoções para guardar.

Entrevistas

Entrevista: APA teve participação no revezamento da tocha com 9 condutores

“Acredito que este momento será de sensibilização para que nossos projetos possa dar um salto ainda maior”

[ Justino Pedro da Silva é o primeiro condutor de Petrolina | foto: Arquivo APA]

O percurso da tocha em Petrolina começou pelas mãos do maratonista Justino Pedro da Silva. Ele é o quarto no ranking nacional de atletismo e integra a Associação Petrolinense de Atletismo (APA), instituição que há 13 anos incentiva o esporte nas margens do Rio São Francisco. A APA já é referência de trabalho com esporte na região, acumulando grandes conquistas, como o terceiro lugar na Maratona Internacional do Rio de Janeiro 2015, conquistado por Edson Amaro, e a da paratleta Fernanda Yara, que participou dos jogos de Pequim 2008, além de Thiago Café ser o recordista brasileiro menor do salto em altura, com 2,06 mts.

Para trabalhar com esporte é preciso garra, não só nas competições, mas também nos obstáculos diários para a manutenção do trabalho. Em entrevista ao Ponto Crítico, o técnico Natanael Barros conta que o incentivo chega através de alguns programas de incentivo federal e estadual, além da ajuda de amigos e parceiros. Ele também comenta sobre as dificuldades em manter um trabalho contínuo aqui no Sertão.

Ponto Crítico: Na sua opinião, qual o impacto do esporte na vida de uma pessoa?

Natanael Barros: O esporte é uma ferramente extramente importante para a formação do aluno, quando orientado de forma adequada. Temos convicto em nossas atividades que é preciso formar primeiramente o ser humano, que é preciso ter disciplina, compromisso e responsabilidade na vida e no esporte. Por isso, o esporte é algo fundamental para a vida de todos.

PC: Como você vê a condição do atleta no Brasil hoje? E do paratleta? Tem melhorado ao longo dos anos?

NB: Avançamos muito, mas ainda tem muito o que se fazer. Apesar da profissionalização do atleta ter melhorado, percebemos uma concentração nos principais centros dos país e, com isso, deixando o esporte, na maioria dos lugares, sendo tratado como filantropia, sem o devido investimento para se profissionalizar. Essa realidade acontece com os dois segmentos: olímpico e paralímpico. No entanto, o paralímpico além de enfrentar as dificuldades financeiras, enfrenta outro problema ainda maior, que é o fator simbólico da sociedade em relação a deficiência.

IMG-20160526-WA0020
Integrantes após treino | foto: Arquivo APA

PC: De que forma vocês mantêm os trabalhos?

NB: O trabalho dos professores é voluntário. Buscamos parcerias para conseguir se manter em atividade. Atualmente temos a parceria do Sesi Petrolina, que nos cede o espaço para os treinos, da UPE, com o colegiado de Nutrição, e da Univasf, com o colegiado de psicologia, que disponibilizam os estudantes para estágios.

PC: O Brasil vai sediar pela primeira vez os jogos olímpicos. O que você pensa disso? Você acha que vai contribuir de alguma forma para as políticas públicas para o esporte?

NB: Tenho esperança que o poder público possa melhorar as políticas de esporte em nosso país. O debate foi colocado na sociedade. É preciso estar atento a essas questões para que essa olimpíada não se transforme em apenas um evento passageiro e que a população não venha a usufruir de todos os benefícios que ela deveria trazer.

PC: Alguns dos integrantes da APA participaram do revezamento da tocha. Acha que pode chamar atenção para os projetos de vocês?

NB: Sim. Nossa instituição foi representada por 09 integrantes. É a maior participação de uma instituição em número de participantes na região. Temos, atualmente, os principais atletas e para-atletas da região e alguns dos principais do país. Acredito que este momento será de sensibilização para que nossos projetos possa dar um salto ainda maior.

IMG-20160527-WA0007
Técnicos se emocionam ao se encontrar no revezamento | foto: Arquivo APA

PC: Esse é um reconhecimento ao trabalho desenvolvido. Além desse momento olímpico, vocês se sentem valorizados na cidade?

NB: Com certeza. Somos muito bem recebidos e conhecidos pelo trabalhado que realizamos. Motivo este que na próxima semana, dia 31, uma terça-feira, a câmara vai votar o projeto de lei que nos dá o título de utilidade pública municipal.

PC: Se os leitores quiserem iniciar hoje a carreira esportiva, como devem proceder?

NB: Deve procurar a instituição que fica localizada no Sesi Petrolina, todos os dias, das 7h às 9h.

 

Colabore!

Para incentivar o grupo, os interessados podem procurar pela equipe no Sesi de Petrolina ou realizar depósitos na conta da associação:

RAZÃO SOCIAL ADECESF – ASSOCIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO ESPORTIVO, CULTURAL E EDUCACIONAL DO SÃO FRANCISCO.
BRADESCO
AGENCIA 1122
C/C 24306-0

Telefones para contato: (87) 9.9638-7160 – Natanael Barros / (87) 9.9968-9779 Marciano Barros

Notícias

Estádio Adauto Moraes reabre as portas nesta quarta-feira

Novo gramado e obras de requalificação são as novidades do espaço esportivo.

20160304103801_estadio-adauto-moraesA partida de estreia da Juazeirense contra o Cuiabá (MT) nesta quarta-feira (6), às 20h30, válida pela Copa do Brasil, marca o retorno do Cancão de Fogo e seu torcedor ao estádio Adauto Moraes, que está com novo gramado e moderno sistema de drenagem e irrigação.

As melhorias do gramado foram garantidas pelo Governo do Estado, por meio da Superintendência de Desportos da Bahia (Sudesb), autarquia da Secretaria do Trabalho e Esporte (Setre), apresentou um investimento da ordem de R$ 450 mil.

Além do campo, foram construídas pela Prefeitura de Juazeiro lanchonetes em todos os lances de arquibancadas e módulo policial, instalado sistema de descargas elétricas, implantação de hidrantes, reforma e climatização das cabines de imprensa, vestiários de árbitros e atletas, pintura geral e reforços estruturais. (Sudesb).

 

Espaço do Leitor

Situação do campo da “Liga 1º de Maio” revolta moradores de Juazeiro-BA

Um dos nossos leitores faz uma denúncia sobre a situação do campo da “Liga 1º de Maio” e sobre a falta de apoio da prefeitura de Juazeiro para o campeonato de futebol realizado anualmente pela liga.

“Olha só como está a situação do campo da “Liga 1º de Maio” É determinante um descaso absurdo, onde esse ano a liga 1º de Maio faz 52 anos de sua existência, liga essa que revelou grande nomes que por aqui passaram. Sendo que o campeonato não aconteceu ano passado, pelos simples motivo. A Prefeitura Municipal de Juazeiro , juntamente com a secretaria de esporte, não deram se quer o seu apoio. O esporte é uma inclusão social, seu prefeito Isaac Carvalho, e é por isso que a criminalidade em Juazeiro só aumenta. Cadê o apoio do senhor secretário de esporte? a liga completou 50 anos de sua experiência, e sabe porque teve campeonato nesse ano?! Porque as equipes custearam 85% do mesmo. A pergunta que fica. “A liga 1º de Maio vai se acabar mesmo?!” Observa a foto que está editada com uma seta, essa rua da acesso a casa do Deputado Estadual que mora aqui em Juazeiro, e é ligado ao seu partido prefeito, deputado esse que foi eleito com a ajuda da maioria dos atletas que jogam esse campeonato.”.

Eclair Libório- Morador de Juazeiro-BA.

1936979_897256523704851_382584932900165514_n 10389612_897256313704872_1432102089744009583_n 12509215_897256173704886_3645216668662696230_n 12733573_897256703704833_8193119841778292320_n 12733983_897256773704826_1493031386580624066_n 12741896_897256063704897_8986175425020624738_n 12741896_897256650371505_3321402148335752268_n 12744355_897256243704879_5107207010924655633_n 12745511_897256367038200_7787910114075831615_n

Notícias

Conheça sete fatos sobre o Brasileirão Feminino 2016 que começa hoje

Nesta quarta-feira (20), a partida entre Flamengo (RJ) e Vitória (PE) abre a competição (disputada por 20 equipes e que vai até o dia 25 de maio), às 16h30.

futebol feminino 2

Mal a edição de 2015 do Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino terminou, a bola voltará a rolar. Nesta quarta-feira (20), a partida entre Flamengo (RJ) e Vitória (PE) abre a competição (disputada por 20 equipes e que vai até o dia 25 de maio), às 16h30. Para você ficar por dentro do que vai rolar na transmissão, segue sete fatos (positivos e negativos) sobre a maior competição do futebol feminino no Brasil. Também há um fato “bônus”.

1 – Última chance para as Olimpíadas

Com os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro se aproximando, o Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino é uma das últimas chances de as atletas que jogam por aqui buscar uma vaga. Apesar de existir uma seleção feminina permanente, o técnico Vadão declarou que o grupo ainda não está fechado.

2 – Chance de ver atletas da seleção

Para os torcedores, o Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino também é uma oportunidade de ver como estão as jogadoras da seleção permanente. Assim como em 2015, as atletas que vestem a amarelinha serão escolhidas pelos times por meio de um draft para jogar as fases finais do Brasileirão.

3 – Times tradicionais disputam o campeonato

Torcedores de alguns dos “grandes” do futebol brasileiro terão um motivo extra para apoiar seus times. Flamengo, Santos, Vasco e Corinthians disputam o campeonato deste ano. Com exceção do Vasco (que entrou pelo ranking da CBF), as outras equipes estão na competição por causa do regulamento que prevê dez vagas para times que jogaram as séries A e B no futebol masculino. Vitória (BA) e América (MG) também conseguiram as vagas com esses critérios.

4 – Olho na artilheira

O principal motivo que levou o Corinthians a montar um time de futebol feminino foi uma cláusula do Profut (a lei de responsabilidade fiscal do futebol) que exige “manutenção e investimento mínimo no futebol feminino”. Para montar a equipe, o timão fez uma parceria com o Osasco Audax. De “brinde”, vai conseguir com que a artilheira do ano passado, Gabi Nunes, vista a camisa da equipe no campeonato. É bom ficar de olho nela porque se repetir o desempenho de 2015 (pelo Adeco), pode pintar nas Olimpíadas.

5 – Força no interior de SP

Os times “de camisa” vão ter um desafio no Campeonato Brasileiro deste ano: desbancar a soberania das equipes do interior de São Paulo. Em 2015, o Rio Preto (de São José do Rio Preto) e o São José (de São José dos Campos) fizeram a final da competição. Já a Libertadores Feminina foi vencida pela Ferroviária (Araraquara), que ganhou o Brasileirão de 2014. Os três times entram na competição querendo manter a soberania.

6 – Sem jogos às 15h

O episódio que mais causou polêmica no Campeonato Brasileiro do ano passado foi quando as jogadoras do Viana (MA) passaram mal por causa do calor em uma partida disputada às 15h contra o Tiradentes (PI), em Teresina. Procurada pelo Portal EBC, a CBF afirmou que não haverá mais jogos nesse horário na competição.

7 – Organização ainda tem muito que evoluir

Classificado como amador, o campeonato tem times convidados de última hora e desistentes. isso ocorre em parte pela falta de um critério mais claro da Confederação para os participantes. Além do critério “camisa”, um confuso ranking serve para definir quem participa do campeonato. Questionada se pretende mudar regulamentos nos próximos anos, a CBF afirmou que os critérios, “por enquanto, são esses”.

Bônus – Ingressos grátis e jogos na TV

Se você tem algum time na sua cidade, uma forma de acompanhar os jogos é indo aos estádios. Os horários das partidas em 2015 (que concorriam com jogos do masculino) e a falta de interesse do público deixaram estádios vazios. Para quem quer ver o jogo em casa, a TV Brasil transmite cinco jogos na primeira fase. São eles:

20/01 – Quarta-feira – 17h – Santos x Portuguesa

27/01 – Quarta-feira – 18h – Corinthians x Rio Preto

03/02 – Quarta-feira – 18h – Santos x Tiradentes (PI)

10/02 – Quarta-feira – 18h – Flamengo x São Francisco (BA)

17/02 – Quarta-feira – 17h – A definir

Da Agência Brasil

Notícias

Juazeiro/BA e Petrolina/PE vão receber Juazeiro Caravanas do Esporte e das Artes

As caravanas vão acontecer em Março. O objetivo dos projetos é de levar a metodologia do esporte educacional e da arte-educação para comunidades do interior do Brasil.

Juazeiro/BA e Petrolina/PE vão receber Juazeiro Caravanas do Esporte e das ArtesO município de Juazeiro/BA receberá em março deste ano, as Caravanas do Esporte e das Artes, projetos do canal de esportes ESPN Brasil, em parceira com o Instituto Esporte e Educação, Unicef e Disney.

Como objetivo de levar a metodologia do esporte educacional e da arte-educação para comunidades do interior do Brasil, o projeto realizará dois dias de atividades esportivas e artísticas para alunos da Rede Municipal de Ensino de Juazeiro, além de oferecer formação para professores. No mesmo período o município de Petrolina/PE também receberá o evento.

De acordo com o secretário de Educação e Esportes – SEDUC, Clériston Andrade, será escolhida uma localidade do interior para receber os eventos. “Conseguimos trazer o Projeto para nosso município, após uma reunião com a ex-atleta da seleção brasileira de vôlei, Ana Moser, que visitou a região no ano passado. A equipe da Caravana do Esporte organiza oficinas esportivas com crianças e adolescentes e também oferece oficinas de formação para os professores, a fim de capacitá-los para que possam dar continuidade ao projeto após a passagem da Caravana”, explicou Clériston.

Notícias

Programa vai incentivar prática de lutas marciais no país

O Ministério do Esporte vai disponibilizar recursos para aquisição do material esportivo e para pagamento dos professores, coordenadores e monitores, além de realizar o acompanhamento e a capacitação desses profissionais.

meninos-curso-artes-marciais

O ministro do Esporte, George Hilton, lançou hoje (21) o Programa Luta pela Cidadania, que visa a democratizar o acesso às lutas e artes marciais.

Segundo Hilton, o projeto terá duração de dois anos, com núcleos de lutas e artes marciais. As atividades vão ocorrer em espaços públicos e privados. Cada núcleo irá atender cerca de 600 pessoas.  “O programa é voltado para crianças, mas atenderemos também jovens e idosos. Temos hoje uma parceria com as escolas e Forças Armadas que atendem milhares de crianças e queremos duplicar esses números. Contaremos com o apoio das federações que trabalham a inclusão social através do esporte focando nas crianças com necessidades especiais”, disse o ministro. A solenidade ocorreu no Ministério do Esporte.

O Ministério do Esporte vai disponibilizar recursos para aquisição do material esportivo e para pagamento dos professores, coordenadores e monitores, além de realizar o acompanhamento e a capacitação desses profissionais.

Para a medalhista olímpica de taekwondo, Natália Falavigna, o projeto é importante para a formação de novos atletas. “Acredito que as artes marciais tenham princípios que transcendem o tatame. As lutas passam os princípios de integridade, de respeito, disciplina, de autocontrole, de perseverança. Tudo isso faz com que a pessoa comece a viver melhor e tenha uma qualidade de vida melhor, e principalmente comece a se importar com os valores morais e éticos que vai praticar em sociedade. No entanto, acredito que mais que dar oportunidade de praticar atividade física o projeto pode mudar a mentalidade das pessoas”, disse a atleta.

O campeão de MMA, Rogério Minotouro, explicou sobre como o projeto pode auxiliar na vida das crianças, principalmente as que residem em locais mais pobres. “Hoje temos uma carência de colocar as artes marciais em alguns lugares do Brasil, muitos jovens não tem acesso à arte marcial. A luta corre lado a lado com a educação, porque o esporte forma o cidadão trazendo valores morais como disciplina, comprometimento, hierarquia, tudo que pode agregar na educação das crianças. Vejo a arte marcial como um grande meio de motivação para esse jovens que não tem oportunidade. O projeto trará confiança para esses jovens. Muitos podem não se tornar atletas profissionais, mas formará cidadãos melhores. É de grande importância para os jovens brasileiros”, disse.

Da Agência Brasil

Notícias

Santa Cruz, Sport e Vitória: Nordeste volta a ter 3 times na Série A

A permanência do Sport na primeira divisão e o acesso de Santa Cruz (PE) e Vitória (BA) na Série B fez com que a região volte a ter o mesmo número de times da edição de 2014 da competição.

Depois desta edição com apenas um representante na Série A do Campeonato Brasileiro, a região Nordeste volta a ter três equipes na elite do futebol nacional. A permanência do Sport na primeira divisão (o time ainda tem chance, inclusive, de chegar à Libertadores) e o acesso de Santa Cruz (PE) e Vitória (BA) na Série B fez com que a região volte a ter o mesmo número de times da edição de 2014 da competição.

Comentaristas esportivos ouvidos pelo Portal EBC veem como “muito positiva” a chegada de mais times do Nordeste na Série A. Para Cláudio Carsughi, a volta de Vitória e Santa Cruz enriquece a competição: “No Nordeste, há torcedores mais empolgados e que têm menos chances de presenciar grandes eventos esportivos do que no Sul e Sudeste”, diz.

O jornalista Juca Kfouri também acredita ser positivo o aumento de times da região: “A Série A ganha com a ampliação da nacionalização do campeonato e a heterogeneidade que mais times do Nordeste garante”. Tanto Carsughi quanto Kfouri lamentaram o fato do Bahia, time de maior público da Série B, não ter conseguido a volta para a Série A.

Kfouri acredita que uma mudança na forma que os campeonatos são organizados poderia ajudar a aumentar a competitividade dos times da região: “Melhor divisão das quotas de TV e aprofundamento da Copa Nordeste poderia ajudar”. Carsughi aponta que os clubes da região devem procurar por si só uma forma de arrecadar: “Um dos caminhos é tentar usar os grandes estádios para eventos, da forma que Palmeiras e Corinthians estão fazendo”.

Desde que o Campeonato Brasileiro começou a ser disputado em pontos corridos, a melhor posição conquistada por um time do Nordeste foi o quinto lugar do Vitória em 2013. A marca pode ser igualada ou superada pelo Sport, que está em sétimo lugar a duas rodadas para o campeonato acabar.

Da Empresa Brasil de Comunicação S/A – EBC

Notícias

Abertas inscrições para Copa Petrolina 2014‏

Maior competição de base da região

01A partir de 15 de dezembro, todas as atenções dos desportistas da região estarão voltadas para os ginásios do SESI e Osvaldo do Flamengo onde serão realizados os jogos da Copa Petrolina de Futsal. Atletas de várias idades estarão disputando o mais importante troféu das categorias de base do interior de Pernambuco. A expectativa dos organizadores é que mais de 600 atletas participem da competição distribuídos nas mais de 60 equipes que disputarão os 06 campeonatos nas seguintes categorias: sub – 07, 09, 11, 13, 15 e 17 anos.

Iniciada em 1997 com o nome Copa Gazzetinha, a ideia era valorizar as quadras comunitárias construídas nos bairros periféricos da cidade, mas ganhou uma dimensão tão grande, que as quadras abertas não tiveram mais como receber os jogos. Em 2013, a novidade foi a implantação das categorias sub – 08 e sub – 10 e o sucesso foi tanto, que a ADECESF –  Associação de Desenvolvimento Esportivo, Cultural e Educacional do São Francisco, inova mais uma vez, esse ano serão seis categorias de 07 a 17 anos. Para o idealizador e coordenador geral da Copa, o Radialista e Gestor de Marketing esportivo, Luiz Villas Boas, essa novidade tem elevado bastante o nome da competição, pois quando os pequenos entram em quadra, os pais largam tudo que estão fazendo para ver as pequenas estrelas brilharem. “Estamos muito felizes com a novidade, muitos pais largam tudo para ver os filhos atuarem e os ginásios ganham um brilho todo especial, pois famílias inteiras vão prestigiar os jogos”, afirmou.05

Um dos atrativos da Copa Petrolina de Futsal, é que ela é uma vitrine para quem quer se tornar jogador profissional, pois os melhores atletas da região participam a exemplo, Nixon atacante do Flamengo e Petrus meia do Corinthians, que passaram pela copinha, além de Everlan do Murici de Alagoas, revelação da primeira edição da Copa em 1997, Nildo Petrolina, jogando hoje na Hungria e os garotos Pedro 15 anos do Santos e Pablo 15 anos do Flamengo que devem mais uma vez prestigiar o evento.

Inscrições

As inscrições ficam abertas até o próximo dia 05 às 10 horas da manhã, quando será realizado o Congresso Técnico. A Copa será disputada de 15 a 20 de dezembro nos ginásios do Sesi e Osvaldo do Flamengo e informações podem ser obtidas através dos telefones (87) 8872 6522 e 8837 4077 ou pelo Watsap (87) 9605 7842. Informações Assessoria.