Publicado em 1 de janeiro de 2019 às 22:14

Revolução solar ou como uma filha Oya resiste a um ano de Ogum

Em 2019, como boa millenium só desejo resistir ao inferno astral que se inicia e desejo, com todas as forças que escrever seja o meu paraíso. * Por Dia Nobre

Publicado em 18 de outubro de 2018 às 14:06

Convoque seu Buda: precisamos escrever a História

“É tudo tão óbvio, que espanta a abjeção que fala fala fala… E eu me calo e reflito <é preciso ter pavio aceso pro lampião do coração não se apagar> porque a gente precisa continuar lutando. É ato”. Por Edianne Nobre*

Publicado em 1 de novembro de 2017 às 07:08

Ontem eu fui assassinada, mas hoje eu ainda luto.

‘Ontem eu morri no corpo de dezenas de outras mulheres que são estupradas, espancadas, dadas de comer aos cachorros’. Edianne Nobre

Publicado em 18 de julho de 2017 às 11:51

A amiga genial

“Isso me fez pensar no quanto estamos dispostos a construir relações duradouras e honestas. E o quanto isso é difícil.” Por Edianne Nobre

Publicado em 5 de julho de 2017 às 15:17

Gypsy ou a terapia como descoberta da cigana que mora em mim

Estar fora de si é, na verdade, olhar para o âmago e permitir aflorar tudo o que a sociedade reprime. Por Edianne Nobre*

Publicado em 20 de junho de 2017 às 11:06

Sou bi e… meu corpo não é invisível

“Vistos como indecisos, promíscuos e/ou infiéis, os bissexuais sofrem bifobia dentro e fora da comunidade LGBT”. Por Edianne Nobre

Publicado em 10 de junho de 2017 às 15:14

Sobre apego e o vazio nas relações contemporâneas

“Mas cada pessoa traz uma bagagem e o medo de que experiências do passado se repitam não vão resolver nossa solidão no presente.” Por Edianne Nobre

Publicado em 2 de junho de 2017 às 12:12

Do direito à tristeza

Não precisa ser um gênio para perceber a tristeza no outro, mas precisa muita coragem para chegar perto e oferecer um ombro.

Publicado em 2 de janeiro de 2017 às 09:52

Precisamos falar sobre a morte

‘Então, eu me pergunto, por que cargas d’água vivemos tão mal? Por que as pessoas dão mais valor aos bens materiais e ao dinheiro do que aos momentos e às relações pessoais? Por que superestimamos esse corpo-sepulcro, como dizia Platão, que nos aprisiona?’. Por Edianne Nobre

Publicado em 15 de dezembro de 2016 às 14:36

Cultura surda e a necessidade de quebrar as barreiras na comunicação

‘Nós, seres humanos, tendemos a reforçar uma imagem distorcida de quem é diferente da norma estabelecida, é difícil aceitar a diversidade’. Por Edianne Nobre