Contos e Crônicas

Mais um: Marte em virgem

“Continuarei a ler tarot e horóscopo até que uma nova combinação me mostre seu mapa. Fiz juz ao meu sol mercuriano. Estava mais vez, como dizem por aí, na pista”. Por: Hyarlla Wany

Era verão. A tarde se esticava quente e preguiçosa numa quinta-feira, 02 de abril. Foi durante uma partida de bomberman no meu novo vídeo game que o antes amado Felipe – agora desgraçado -, resolveu me abandonar. Ora, onde ele vai achar namorada melhor que eu? No momento ri, depois, pedi pra que, gentilmente, ele levantasse aquilo que ele chama de bunda de meu acochoado sofá novo com estampas de conchinhas. Ele saiu. Antes, chorou um pouco e me olhou fazendo aquela cara de pidão que só ele sabe fazer. Aqueles olhos grandes e marrons como as águas ribeirinhas de minha terra me olhavam fixamente suplicando atenção, enquanto pela lateral interna escorria a água do mar que ele era pra mim. Quase desisti da despedida. Permaneci irredutível e em nenhum momento me arrependi do que tinha feito. Sempre lidei bem com fim de relacionamentos, afinal, ainda existem outras 7 bilhões de pessoas no mundo. Não é? Alias, agora só 6999999995, eliminando ele e os outros quatro que, enfim…

Depois que ele atravessou a porta, eu pensei em infinitas maneiras de acabar com a vida dele. Pensei em curtir todas as páginas babacas de direita, inclusive aquela lá… Bolsomito! Isso desconstruiria a imagem dele de bom moço: de esquerda e desconstruído. Poderia ir até a casa dele e pedir desculpa por não ter ouvido o que ele tinha para me falar sobre o término e, assim que ele me convidasse para entrar, iria até a cozinha me servir um copo de água e colocaria laxante dentro do seu suco. A segunda opção era colocar cianureto. Essa não teria graça! Eu poderia empurrá-lo da varanda e logo após me jogar por cima. Seria uma cena maravilhosa. Romeu e Julieta, século XXI.

Passei semanas pensando no seu fim. Poderia enterrá-lo vivo. Aqueles pezinhos ficariam lindos bem geladinhos! Poderia estragar a sua cerimônia de colação de grau amanhã, poderia dizer pra todos que ele é um babaca e ainda rir disso. Poderia até ligar pra polícia e dizer que na casa dele tem pé de maconha. A última opção era fingir que nada aconteceu e ignorar a leve existência daqueles longos cabelos sobre a cara.

Caia uma leve chuva lá fora, era uma quarta-feira, 17 de maio. Os pingos da chuva que no chão se desmanchavam e corriam, me fizeram refletir mais sobre a vida. Estar em movimento. Aquela chuva me lembrou Felipe. Foi aí que percebi: Foda-se! Ele era escorpião. Fechei a janela, instalei o tinder e me entupi de torta de limão. Continuarei a ler tarot e horóscopo até que uma nova combinação me mostre seu mapa. Fiz juz ao meu sol mercuriano. Estava mais vez, como dizem por aí, na pista.

PS: O culpado do término foi seu marte em virgem que não gostou do meu novo jogo de azulejos xadrez com linhas tortas no forro do quarto.