Notícias

Após reunião com vereadores e Sindicato servidores públicos municipais de Petrolina decidem continuar em greve

Os vereadores da situação comprometeram-se em se reunir com o prefeito para pautar as reivindicações dos servidores; já os/a parlamentares de oposição se colocaram favoráveis a luta dos/as grevistas, negando-se a votar qualquer projeto que prejudique as categorias.

IMG_20170322_114110
Ponto Crítico

O SINDSEMP (Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina) continua mobilizado em seu estado de greve. Hoje uma comissão dos sindicalistas estiveram presentes na Câmara Municipal reunidos com vereadores/a da situação e oposição. Foi apresentado a situação das diversas categorias, onde, segundo Walber Lins (presidente do SINDSEMP), os trabalhadores da saúde são os que se encontram em maior situação de precarização, especialmente os técnicos de enfermagem, estes que são os que recebem maior carga de trabalho e menor remuneração.

Os representantes do sindicato ainda colocaram a preocupação em relação aos casos de assédio por parte dos gestores das secretarias municipais, segundo eles, alguns/as servidores/as estão sendo coagidos a retornarem aos seus postos de trabalho sob ameaça de descontos nos salários pelos dias parados.

Os/as sindicalistas ainda apresentaram aos/a vereadores/a sua proposta de reajuste. Nessa, está previsto um reajuste de 6,29% para todas as categorias, ao apresentar o cálculo o presidente do sindicato argumentou que isso não representa um grande impacto na receita municipal, cerca 282.000 reais mês. Ainda foi pontuado que o montante de cargos comissionados representa maior peso orçamentário do que o aumento previsto pelo sindicado aos servidores e que estes devem ser prioridade na receita da cidade. Receita essa que vem se comportando como previsto pela lei orçamentaria.

Os vereadores da situação comprometeram-se em se reunir com o prefeito para pautar as reivindicações dos servidores; já os/a parlamentares de oposição se colocaram favoráveis a luta dos/as grevistas, negando-se a votar qualquer projeto que prejudique as categorias. A reunião terminou com uma grande plenária que reuniu vários/as grevistas, sindicato e vereadores/a da oposição. Deliberou-se a continuidade do estado de greve até que o executivo negocie com o movimento.