Colunas

Desejos de uma pessoa negra …

“Não haverá democracia, não haverá crescimento humanitário enquanto o racismo não for extinto completamente”. Por Márcia Guena

Foto: Frente Negra do Velho Chico

Quero caminhar na calçada de bermuda e chinelo! Quero andar de bike ao anoitecer. Quero dirigir meu carro, devagar, olhando o rio! Quero gastar meu dinheiro no melhor restaurante da cidade, comer a melhor carne, beber o melhor vinho. Quero ver meu filho usar o corte de cabelo que desejar. Quero ir ao banco, no final do mês e passar tranquilamente pela catraca racista… Quero sair com minhas contas, vestido de branco, na sexta-feira e louvar a Oxalá! Quero fazer tudo isso sem que, a cada passo, tenha que convocar todas as entidades da guerra e da proteção. Sem que cada passo pareça o último!

Driblando a morte, todos os dias, me pergunto se isso é mimimi?! Driblar a morte é mimimi? Mimimi…..

Em 2018, mais de 75% das pessoas assassinadas no Brasil eram jovens negros/negras, segundo o Atlas da Violência, de 2018, um documento elaborado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Como assim se nós somos 56% da população brasileira? Será que essas pessoas que falam que isso é mimimi nunca viram esse dado? Não é um número construído pelo Movimento Negro. São de instituições dominadas por pesquisadores brancos. Até o Jornal Nacional, um dos programas mais atrelados às elites nacionais, já está dando esse número.

Bom, poderia dar vários exemplos das violências raciais e tirar lágrimas de todas as leitoras e leitores. Mas não quero. Não quero lágrimas. Quero os meus direitos!!!!!!!!.  Meus orixás me protegem, me dão força e discernimento para reconhecer que estamos propondo mudanças há muitos anos e que há leis que nos protegem e que foram conquistadas por nós mesmos. É claro que, em governos democráticos, não nesse governo, violento, fascista, racista e negacionista.

Pois bem, segue um recado para a prefeita de Juazeiro, para o prefeito de Petrolina e para os vereadores da região. Vocês administram duas cidades negras: Juazeiro tem 73% e população negra e Petrolina, 67%. Esses dados são do IBGE de 2010 e, agora, esse número é muito maior, pois a consciência negra tomou corações e mentes. Desse modo, implementem as leis que já existem, não as descumpram, não as desobedeçam:

1 – Implementem os Estatutos da Igualdade Racial e de Combate ao Racismo Religioso nas duas cidades! É fruto de um debate amplo da população que vocês dizem representar;

2 – Apliquem a lei 10.639, aprovada há 18 anos, em 2003, e a lei 11.645, aprovada há 15 anos!!!! Elas obrigam o ensino das culturas afrobrasileira e indígena nas escolas públicas e privadas;

3 – Adotem o Estatuto da Igualdade Racial do Brasil, aprovado há 11 anos;

4- Criem escolas quilombolas nas comunidades das duas cidades, este povo sofre com a falta de serviços básicos!

Quantas leis, quantas saídas criamos, desde que pisamos nessa terra sob muita violência: quilombos, jornais, expressões artísticas, cosmogonia e leis !!!!. A luta antirracista não pode ser apenas das pessoas negras. Nós não inventamos e não alimentamos o racismo. O Estado precisa ser um agente ativo no combate a essas violências seculares. Estamos dando a régua e o compasso. Não haverá democracia, não haverá crescimento humanitário enquanto o racismo não for extinto completamente. 

*Por Márcia Guena

Integrante da Frente Negra do Velho Chico