Notícias

Aldeia Vale Dançar em Petrolina homenageia Chagas Sales

A programação acontecerá no Sesc, na Ilha do Massangano e no CEU das Águas, em Petrolina e no Espaço Filhos de Zaze, em Juazeiro

Foto: Divulgação.

De 23 de abril a 1º de maio, Petrolina volta a ser a capital da dança no Sertão, com a décima segunda edição da Aldeia Vale Dançar – Festival de Dança do Vale do São Francisco. Realizada pelo Sesc, a programação integra as ações do projeto nacional Palco Giratório e acontece em Petrolina e Juazeiro (BA). Na grade, haverá ações formativas, espetáculos de dança, shows musicais e intercâmbio entre artistas de Pernambuco e de outros estados, como Rio de Janeiro e Amapá.

Tendo como tema “Corpos Dissidentes”, este ano o festival homenageia Chagas Sales, um dos precursores do movimento de Dança em Petrolina. Chagas participou do movimento cultural da Escola Marechal Antonio Alves Filho (EMAAF), nos anos 1970, e em 1984 criou as primeiras coreografias do grupo Batuk-ajé. Hoje, é produtor da Festa de Santo Antônio e do Samba de Veio da Ilha do Massangano. “Com a história de Chagas, nossa proposta é discutir os diversos corpos que estão à margem dos padrões, o que é um ato político”, afirma o coordenador da Aldeia, Jailson Lima.

A programação acontecerá no Sesc, na Ilha do Massangano e no CEU das Águas, em Petrolina e no Espaço Filhos de Zaze, em Juazeiro.  A abertura será na terça-feira (23/4), às 20h, no Teatro Dona Amélia, com o espetáculo “Abayomi”, que será apresentado por Camila Yasmine com participação do Grupo Batuk-ajé. Em seguida, será exibido o documentário “Chagas, um homem rio”, de Fernando Pereira.

Única no Brasil com programação totalmente voltada à dança, a Aldeia Vale Dançar é braço cultural do projeto Palco Giratório, que nesta edição traz a Petrolina, no dia 26 de abril, às 20h30, no Teatro Dona Amélia, o espetáculo “Cria”, da Cia Suave / Alice Ripoll (Rio de Janeiro-RJ). Já no dia 27, às 19h, no CEU das Águas, será encenado o espetáculo “Chica, Fulô de Mandacaru”, da Cia Casa Circo (Macapá-AP). No dia 30, no Teatro Dona Amélia, às 20h, a Cia Casa Circo (Macapá-AP), apresentará o espetáculo “A Mulher do Fim do Mundo”.

Como acontece tradicionalmente em todas as edições, o encerramento da Aldeia Vale Dançar ocorrerá no dia 1º de maio, a partir das 9h, com o “OverDança”. Serão 12 horas ininterruptas de programação, com dança, intervenções, mercado cultural, música com a DJ Candite (Petrolina) e show da cantora Márcia Castro (Salvador–BA), que traz o repertório do seu último disco, “Treta”.

Parte da programação é gratuita, exceto as que acontecem no Teatro Dona Amélia, com ingresso a R$10 para o público em geral e R$ 5 para trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo e seus dependentes. Para o Overdança, a entrada custa R$ 5 ou 1 kg de alimento não-perecível.

Oficinas – A Aldeia Vale Dançar também traz ações formativas voltadas para iniciantes e artistas profissionais ou com alguma experiência. As inscrições já estão abertas e podem ser realizadas enquanto houver vagas. No dia 25, das 9h às 12h, o Palco Giratório promove a oficina “Passinho/Dancinha”, que será ministrada por dançarinos da Cia Suave (Rio de Janeiro-RJ). No dia seguinte, também das 9h às 12h, a professora Denise Stutz, do Rio de Janeiro, ministrará a oficina “Dramaturgia do corpo presente”.

Para jovens a partir de 16 anos, o público poderá participar, nos dias 26 e 27 de abril, das 09h às 12h, da oficina “Dança da Poética de Ossain”, com Marilza Oliveira e Ricardo Costa (Salvador-BA). Nos mesmos dias e horários, das 9h às 13h, haverá a Oficina Texto e Movimento Expressivo, do Palco Giratório, ministrada por Jones Barsou e Ana Caroline (Macapá-AP).

Nos dias 29 e 30 de abril, serão realizadas três oficinas: “Dança dos Afetos: consciência corporal e experiência sensível de si-mesmo”, das 8h às 11h, com Renata Camargo (Recife-PE);  “O giro de Hortênsia: dançando nossas fissuras”, das  9h às 13h, com Daniela Amoroso (Salvador-BA); e “Laban no Contexto – Contatos e Relações”,  voltada para o público maior de 18 anos, das 9h às 13h, com Isabel Marques (São Paulo-SP). A inscrição pode ser feita no Ponto de Atendimento Sesc Petrolina e custa R$ 20. Trabalhadores do comércio e dependentes têm desconto e pagam R$ 10. Para se inscrever, é necessário possuir o Cartão do Sesc atualizado. A emissão do cartão custa R$8 para o público geral e R$ 4 para trabalhadores do comércio e dependentes.

 

Serviço: Aldeia Vale Dançar

Data: De 16 a 28 de abril

​Locais: Teatro Dona Amélia (Rua Pacífico da Luz, 618, Centro, Petrolina); Espaço Cultural Filho de Zaze (Avenida Dom José Rodrigues, 566, Quidé, Juazeiro-BA); CEU das Águas (Rua do Tamarindo, Rio Corrente, Petrolina); e Ilha do Massangano.

Informações: (87) 3866-7454

Deixe uma resposta