Ébano

Queremos liberdade para todos os homens e mulheres pretos mantidos em prisões

“Basta de injustiças, de racismo, de marginalização, de desumanidade. Basta de criminalizar e castigar absolutamente o povo preto. De abarrotar as celas das cadeias de gente preta por persecução racista”. *Por Grazyelle Reis dos Santos

Foto: Frente Negra do Velho Chico

A escravidão foi judicialmente extinta no final do século XIX, mas as suas chagas continuam evidentes. Na ótica racista de ver o mundo, a associação entre ser preta, ser preto, e ser, por isso, pessoa a priori discriminada e rotulada como suspeita, através do racismo tem servido de base para o encarceramento de milhares e milhões, e, pior, sem julgamento. Receber esse rótulo lancinante e ser sempre alguém sob suspeita vem arruinando famílias, trabalhos, vidas há longo tempo e em proporções catastróficas, já que, tristemente, essa suspeição específica é comportamento estruturado e estruturante na sociedade brasileira e está atrelada ao empenho exasperado da supremacia branca em manter as hierarquias raciais intactas.

Conforme dados de 2020, do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), sobre a composição da população por cor/raça no sistema prisional, cerca de 68% dos encarcerades no Brasil são negres e pardes. Número exorbitante que é resultante da abismal exclusão e desigualdade sociorracial que embasa o apartheid à brasileira. Estes números também representam que a imparcialidade, princípio que deveria ser caro à justiça, corriqueiramente é apenas mera formalidade legal.

Para o povo preto a justiça não é cega. Uma franca política de Estado engajada no aprisionamento de pretas e pretos, por meio de seus aparelhos repressores, é nítida. O que motiva isso? O racismo estrutural. São cotidianas as notícias sobre ações policiais em áreas periféricas de diversas cidades brasileiras, sob a apologia de “combate” às drogas, que, quando não geram mortes, principalmente de jovens pretas e pretos, levam para o cárcere outres tantes e adoecem comunidades inteiras.

Queremos liberdade para todos os homens e todas as mulheres pretes mantidos em prisões. Basta de injustiças, de racismo, de marginalização, de desumanidade. Basta de criminalizar e castigar absolutamente o povo preto. De abarrotar as celas das cadeias de gente preta por persecução racista. Esse nexo do sistema racista que perdura necessita imediatamente ser rompido para desasfixiar a sociedade e garantir que o povo preto viva com dignidade, respeito, igualdade e justiça.

 

*Por Grazyelle Reis dos Santos

Integrante da Frente Negra do Velho Chico

 

Dado do DEPEN: https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiZmY1NjZlNmMtZmE5YS00MDlhLWEyNGYtYmNiYTkwZTg4ZmQ1IiwidCI6ImViMDkwNDIwLTQ0NGMtNDNmNy05MWYyLTRiOGRhNmJmZThlMSJ9