Notícias

Ato pela democracia movimenta o Semiárido brasileiro

Delegações de todos os estados da região semiárida estarão presentes

A proposta é relacionar democracia e políticas de convivência com o Semiárido, como outras mobilizações que já aconteceram na região / Ivan Cruz Jacaré

No próximo sábado (20), a região do Vale do São Francisco recebe o ato “Semiárido pela Democracia”. A iniciativa vinda de movimentos e organizações do campo como a Via Campesina, Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG), Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), Federação os Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado de Pernambuco (FETAPE) e sindicatos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) busca relacionar a garantia de direitos como acesso á água, terra e outras políticas sociais na região à restauração da democracia no país. A concentração acontece a partir das 14h, na cidade de Petrolina (PE), em local ainda não confirmado.

“A nosso ver, a convivência com o Semiárido não se sustenta em um sistema político que não seja democrático. É vital para a convivência com o Semiárido manter e fortalecer a democracia, para avançar nas condições dignas de vida para as populações que habitam essa região”, reforça Cícero Félix, integrante da coordenação nacional da ASA pelo estado da Bahia.

Além das intervenções políticas, a proposta é também inserir manifestações culturais em todo o ato, com grupos de dança, bandas e cantores da região. A expectativa é reunir delegações de todos os estados do nordeste, além de Minas Gerais, abarcando todos os estados que estão incluídos no Semiárido brasileiro.

Além da defesa da democracia, a proposta é reforçar a campanha #EleNão, que surgiu nas redes sociais e levou centenas de milhares de pessoas ás ruas no Brasil e em outros países ainda no primeiro do turno das eleições numa negativa à candidatura e plano de governo do candidato Jair Bolsonaro (PSL).

Cícera Nunes, presidenta da FETAPE, faz uma relação entre as políticas voltadas para o semiárido, a democracia, e a vida das mulheres no campo e na cidade “O que nós vimos nos últimos anos foi uma mudança enorme para vida das agricultoras durante governos democráticos. Pudemos ter acesso á renda no campo e emprego nas cidades, ter independência. Isso é fruto da democracia. Não podemos eleger um candidato com um discurso de ódio contra as mulheres, isso é contra tudo o que lutamos todo esse tempo”, afirma.

Por Vanessa Gonzaga

http://www.brasildefato.com.br