Uncategorized

Ato ”A revolta das cores” aconteceu na Ilha do fogo

Para Alzyr Brasileiro, coordenador municipal da Aliança Nacional LGBT, o evento marca um momento de luta de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais nesse momento de tanto conservadorismo nessa nova conjuntura social e política que o Brasil está vivendo.

Foto: Reprodução Facebook

No último domingo (13), centenas de pessoas da população LGBTQ+ de Petrolina e Juazeiro lotaram a Ilha do Fogo, para conscientizar e sensibilizar comerciantes e usuários do local contra a LGBTFOBIA, o evento foi realizado pela coordenação municipal da Aliança Nacional LGBTQ+ de Petrolina, Associação Sertão LGBT , Coletivo Monas e do Conselho Municipal de Direitos Humanos de Juazeiro.

Além das falas das lideranças dos movimentos LGBT, que enfatizaram que “aquele ato não era um lazer, e sim um ato político de ocupação de um espaço público, de liberdade e também de propriedade da população que ainda sofre com a discriminação e com a violência LGBTfóbica”.

Foto: Reprodução Facebook

Para Alzyr Brasileiro, coordenador municipal da Aliança Nacional LGBT, o evento marca um momento de luta de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais nesse momento de tanto conservadorismo nessa nova conjuntura social e política que o Brasil está vivendo.

A revolta das cores também teve apresentação da Dj Laís Bione, apresentações artísticas com performances de Arilson Rodrígues, Thaís Villar, Clara Vitória, e do cantor Alan Barbosa, a artista plástica e professora Clarissa Campello ambientou a ilha com as cores do arco-íris, juntamente com os artistas visuais Pollyana Mattana e André Brandão. A presidente do conselho municipal de Diretos Humanos de Juazeiro-Bahia Rozineia Rodrigues também esteve presente e distribuiu folhetos com informações sobre a cidadania LGBT que foram usados no trabalho para sensibilizar comerciantes e pessoas que frequentam a Ilha.

Foto: Reprodução Facebook

“Mostramos que somos resistência e que não vamos desistir de lutar por nossa liberdade de andar por aí livremente. a população LGBT+ pede paz e respeito.” Conclui Eduardo Rocha, presidente da Associação Sertão LGBT.

Foto: Reprodução Facebook

Fonte: Texto e fotos perfil de Alzyr Anttônio Sa Brasileiro no Facebook

https://www.facebook.com/profile.php?id=1045848071

 

Grifo nosso:

O ato foi motivado como protesto a agressão sofrida por um casal de jovens LGBT, no último dia 05. Segundo informações, o casal já estava deixando a Ilha quando foi surpreendido por dois homens que os agrediu com pauladas, e quando estes indagaram porque estavam sendo agredidos eles teriam respondido: “viado tem que morrer”. Os jovens não conseguiram identificar os agressores e mesmo machucados conseguiram fugir.