Educação

Projeto de Educomunicação, fruto de TCC, em colégio de Juazeiro (BA), estimula jovens a falarem sobre temas que consideram relevantes.

“Acredito que o Jornalismo e a comunicação tem o dever de estar nos mais variados espaços. Todo mundo tem algo a dizer. E haverá sempre boas histórias pra contar, desde que a gente esteja disposta/o a ouvir.”

Por Bia Braga
 
Entender que a comunicação pode e deve estar em todos os espaços foi o que motivou a construção de um trabalho de conclusão do curso (TCC) de Jornalismo em Multimeios, da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), voltado para a produção de um projeto de educomunicação, utilizando o rádio. E o espaço escolhido, foi a escola. No Colégio Estadual Misael Aguilar Silva, situado em Juazeiro, Bahia, produzi, junto com uma equipe de seis estudantes e uma ex-aluna, a radionovela “Depressão na adolescência”, com três capítulos.
A radionovela é apenas um dos produtos gerados através das oficinas de rádio que ministrei na escola. Pois, comecei o meu projeto antes de torná-lo um TCC, na disciplina de Estágio Supervisionado. Ao longo desse trajeto, na escola, passei ao grupo de estudantes uma série de conhecimentos gerais sobre o rádio: escrita, construção de script, técnicas de gravação e entonação. Também discutimos sobre vários assuntos que poderíamos pautar em produções de rádio. A radionovela sobre depressão foi escolha do grupo, por acreditarem ser um tema ainda pouco discutido. Na trama, uma adolescente, “Angélica”, se vê diante de vários problemas pessoais e, após uma palestra de uma psicóloga, no colégio onde estuda, começa a perceber alguns sintomas de depressão e procura ajuda. A radionovela foi totalmente construída junto com o grupo, com ideias deles e delas, e com a ajuda de uma psicóloga. As vozes dos personagens e do narrador da radionovela também são do grupo de estudantes. 
 
Ao final do meu trabalho, solicitei que o grupo fizesse uma redação sobre o que aprenderam sobre a temática “depressão na adolescência”. E, para mim, além da aprovação do TCC, e formação na área que escolhi e que amo, que é a comunicação,  ler as palavras dos jovens com os quais convivi durante tanto tempo, com certeza, foi o melhor presente, junto com a conclusão da minha graduação. Acredito que o Jornalismo e a comunicação tem o dever de estar nos mais variados espaços, junto dos jovens, dos adultos, dos idosos. De todos. Porque todo mundo pode comunicar. Todo mundo tem algo a dizer. E haverá sempre boas histórias pra contar, desde que a gente esteja disposta/o a ouvir.