Notícias

Ato fora Bolsonaro acontece em Petrolina neste sábado

Por vacina, pão, auxílio emergencial, mais emprego, e comida no prato.

Foto: Divulgação

Em resposta ao escândalo mais recente envolvendo o governo Bolsonaro, movimentos sociais, partidos políticos, associações e organizações de estudantes de Petrolina-PE vão realizar, neste sábado (3), mais um ato de rua. A concentração será a partir das 9h, na praça da Catedral, de onde a manifestação partirá em direção às principais vias do centro da cidade.

Esta será a terceira mobilização, no município, desde o início da pandemia. Segundo os organizadores, a expectativa é fortalecer a mobilização em torno do impeachment do presidente Bolsonaro em razão da má condução que o governo federal vem dando à pandemia.

Desta vez o percurso passará pela Avenida Souza Filho, Avenida Guararapes e Orla, onde será finalizado, às margens do rio São Francisco.

A organização do ato pede que os manifestantes usem máscara N95/PFF2, álcool gel e mantenham o distanciamento social. Tudo para evitar o contágio do Coronavírus.

Assim como nas outras edições, uma equipe de biossegurança, montada pela equipe organizadora, atuará na condução dos manifestantes, durante o percurso para que as medidas de segurança sejam respeitadas. Haverá ainda distribuição gratuita de máscaras para pessoas precisarem fazer substituição do ítem.

Vale destacar que todas as outras mobilizações realizadas anteriormente tiveram essa mesma configuração.

O ato soma-se a uma mobilização nacional, marcada para este sábado. Anteriormente o ato seria realizado em 24 de julho, porém, foi antecipado diante do recente escândalo da covaxin, vacina indiana cuja compra, segundo fontes ligadas ao governo, foi superfaturada.

Além disso, outras mobilizações estão acontecendo pelo país. Nesta quinta, foi protocolado na Câmara federal um super pedido de impeachment, com a participação de vários partidos políticos, de direita e de esquerda, entidades e organizações sociais.

Nesta quinta (1°) o Brasil atingiu a marca de 518 mil mortos pela covid-19. O que torna o país o segundo maior em número de mortes no mundo.

Por vacina, pão, auxílio emergencial, mais emprego, e comida no prato. Fora Bolsonaro!